Ministra da Justiça diz que Ministério Público ouvirá quem tenha suspeita de crime

"Há um inquérito criminal em curso", lembrou a ministra da Justiça. Presidente da Liga dos Bombeiros suspeita de mão criminosa no incêndio de Pedrógão Grande

A ministra da Justiça disse hoje que o Ministério Público (MP) "seguramente ouvirá" quem tenha indicações de que o incêndio de Pedrógão Grande terá tido origem criminosa, porque está em curso um inquérito-crime para apurar as causas da tragédia.

Confrontada com as suspeições sobre a origem criminosa do incêndio, hoje avançadas pelo presidente da Liga dos Bombeiros, Francisca Van Dunem lembrou que a tragédia deu origem a um inquérito criminal, dirigido pelo MP, para apurar as causas, "pese embora a circunstância da Polícia Judiciária ter dito no primeiro dia que entendia que a avaliação que fazia era num determinado sentido", ou seja, que tivera origem numa trovoada seca.

"Em qualquer caso, há um inquérito criminal em curso e o MP, no âmbito desse inquérito, seguramente também ouvirá as pessoas que têm indicações em sentido contrário para dar" aos investigadores.

"Elas lá dirão (...) e obviamente (o MP) fará as diligências necessárias para confirmar ou informar essa tese e apurar responsabilidades", concluiu Francisca Van Dunem.

Entretanto, a Polícia Judiciária vai chamar o presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) para que forneça todos os elementos de que dispõe sobre as suspeitas de origem criminosa do incêndio de Pedrógão Grande.

Fonte oficial da PJ disse à agência Lusa que Jaime Marta Soares vai ser chamado para que, "em sede própria e com a maior brevidade possível, forneça todos os elementos de que dispõe".

Contactado pela Lusa, o presidente da LBP afirmou que suspeita que o incêndio que deflagrou no sábado em Pedrógão Grande tenha tido "origem criminosa".

No domingo, o diretor nacional da PJ afirmou que o incêndio em Pedrógão Grande teve origem numa trovoada seca, afastando qualquer indício de origem criminosa.

"Mantenho as minhas suspeições sobre as origens criminosas do incêndio", sublinhou hoje Jaime Marta Soares sem adiantar mais pormenores.

O presidente da LBP disse ainda que saúda a investigação da PJ para apuramento da origem do incêndio.

A PJ vai chamar Jaime Marta Soares na sequência das declarações que fez hoje de manhã no Fórum da Rádio TSF sobre as suas suspeitas de "mão criminosa" na origem do fogo.

O incêndio que deflagrou no sábado à tarde em Pedrógão Grande, no distrito de Leiria, e foi dado como dominado na tarde de hoje provocou pelo menos 64 mortos e mais de 200 feridos.

O fogo começou em Escalos Fundeiros, e alastrou depois a Figueiró dos Vinhos e Castanheira de Pera, no distrito de Leiria.

Desde então, as chamas chegaram aos distritos de Castelo Branco, através do concelho da Sertã, e de Coimbra, pela Pampilhosa da Serra.

Este incêndio já consumiu cerca de 30 mil hectares de floresta, de acordo com dados do Sistema Europeu de Informação de Incêndios Florestais.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG