Associação das Vítimas "vai fazer história no país "

Presidente da República diz que a Associação das Vítimas do Incêndio de Pedrógão Grande não fica presa à memória e que se vira para o futuro

Na inauguração da sede da AVIPG, situada numa antiga escola primária da aldeia da Figueira, Marcelo Rebelo de Sousa vincou que a associação "fez história, faz história e vai fazer história neste país", considerando que acompanhar o percurso daquela instituição é também "compreender um pouco a história" dos últimos seis meses.

Para o Presidente da República, a associação apresenta um conceito que "é muito novo" em Portugal, assumindo três dimensões: a memória, o futuro e o desenvolvimento económico, social e cultural do território.

"Estas três dimensões juntas são muito raras", observou, sublinhando o facto de a AVIPG ser "uma associação virada para o futuro e com um horizonte que não tem limite".

Marcelo disse que essa diferença da associação foi por vezes difícil de compreender pela sociedade portuguesa

"Havia quem me perguntasse: "Mas afinal como era? Aquela iniciativa não se esgota naquilo que é justo relativamente às perdas que existiram, na ideia de se sensibilizar para o que se passou, mas quer mais. Até onde é que vão?" Estamos numa sociedade que está habituada a estas diferenças. É uma realidade nova", constatou.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, a associação "é diferente e é bom que seja exemplar no sentido de abrir um caminho diferente".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.