PCP recusa aumento indiscriminado de impostos indiretos

Comunistas apenas admitem taxar bens de luxo. Mas avisam que impostos indiretos são "impostos injustos". E sobretaxa do IRS é para acabar a 1 de janeiro

O PCP recusa o aumento indiscriminado de impostos indiretos, por atingir toda a gente, nomeadamente as "camadas populares", admitindo apenas que esses aumentos atinjam os bens de luxo. "Por princípio", notou o líder parlamentar comunista, João Oliveira, "os impostos indiretos sendo impostos injustos que recaem sobre toda a gente da mesma forma, independentemente dos rendimentos de cada um, não devem ser uma opção em matéria fiscal, quando se procura introduzir elementos de justiça fiscal".

Apesar de recusar "linhas vermelhas" para discutir o Orçamento do Estado para 2017 com o Governo socialista, João Oliveira deixou claro que o seu partido não acompanha "perspetivas de agravamento de impostos indiretos sobre bens de consumo que necessariamente recaem sobre as camadas populares e que, em concreto, podem até criar dificuldades a importantes setores produtivos do nosso país", nomeadamente a possível taxa sobre produtos nocivos à saúde.

O deputado só abriu a porta à tributação de bens de luxo, "nomeadamente, da forma como propusemos anteriormente, do aumento do IVA sobre os bens de luxo".

"O aumento das pensões não pode ter como contrapartida impostos indiretos", avisou ainda o presidente da bancada comunista. "Naturalmente significaria que seriam penalizados precisamente aqueles que em boa parte beneficiariam do aumento das pensões", explicou João Oliveira, na apresentação das conclusões das Jornadas Parlamentares do PCP, que se realizaram ontem e hoje, no Porto.

"É necessário que o Estado tenha os recursos financeiros para dar resposta" a esse aumento, disse. Para logo acrescentar: "Esses recursos financeiros têm que ser encontrados não nos bolsos de quem trabalha, mas nos bolsos de quem acumula fortuna, de quem acumula lucros e, sobretudo, nos lucros dos grandes grupos económicos e do grande capital".

O líder comunista insistiu que "no plano fiscal" e "de muitas outras medidas, que é possível identificar fora da fiscalidade, é possível o Estado obter os recursos financeiros de que necessita, sem penalizar quem trabalha, sem penalizar o povo", "com uma política fiscal mais justa, que desagrave impostos sobre quem trabalha" e "vá encontrar os recursos fiscais na tributação dos grandes grupos económicos" e "financeiros".

Sobre a sobretaxa do IRS, João Oliveira recordou que já há uma lei que prevê a sua total eliminação a 1 de janeiro de 2017 e que o PCP, há um ano, quando da discussão do Orçamento para 2016, defendia que "a sobretaxa devia acabar imediatamente". É isto que o PCP espera agora, argumentou.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...