PCP quer Júlio Pereira na AR em nome "da verdade e transparência"

O secretário-geral do PCP afirmou hoje que a audição de Júlio Pereira no Parlamento se justifica "em nome da verdade e da transparência" democráticas, até porque as alegadas irregularidades nas secretas envolvem questões de ordem política.

Jerónimo de Sousa esclareceu que o pedido do PCP para a audição do secretário-geral do Sistema de Informações da República Portuguesa (SIRP) na Comissão dos Assuntos Constitucionais da Assembleia da República (AR) se deve "à evolução da situação", já que "independentemente de problemas de justiça, há questões de ordem política num sector tão sensível que a AR devia ter uma palavra de conhecimento, de informação" sobre o assunto.

Em declarações aos jornalistas no fim de um comício em Gaia, o secretário-geral do PCP notou que o pedido de audição que vai ser apresentado pretende que o secretário-geral do SIRP "possa ir à AR explicar o que tem de ser explicado".

Jerónimo de Sousa apontou ainda o dedo às "limitações" do Conselho de Fiscalização do SIRP, eleito pelo Parlamento.

"Obviamente, durante muito tempo e até agora, esse conselho fiscalizador não tem funcionado. Tem sido bastante limitado", disse.

Para o secretário-geral do PCP, "neste momento a democracia exige mais em termos de verdade e transparência".

O PCP anunciou hoje que vai pedir a audição do secretário-geral do Sistema de Informações da República (SIRP), Júlio Pereira, na Comissão dos Assuntos Constitucionais para "saber o que vai ser feito" depois de conhecidas alegadas irregularidades nas secretas.

Exclusivos