PCP: "Há uma outra solução governativa"

Comunistas deixaram mensagem a Cavaco de que não vale a pena indigitar Passos. Mas nada disseram sobre acordo à esquerda

Jerónimo de Sousa saiu esta quarta-feira de manhã a dizer que o PS tem condições para governar e que o Presidente da República não tem de perder mais tempo a indigitar um governo PSD/CDS que não tem maioria. Sem responder a perguntas, o secretário-geral do PCP nada disse sobre um eventual acordo com os socialistas.

"Há uma maioria de deputados que constituem condição bastante para a formação de um governo de iniciativa do PS que permita a apresentação do programa, a sua entrada em funções e a adoção de uma política com uma solução duradoura", explicou Jerónimo

Sublinhando que o PCP transmitiu a Cavaco Silva que a atual coligação de direita "foi derrotada ficando em minoria", o que impede "o PSD e CDS de formar governo", o líder comunista sublinhou que "caso isto aconteça e seja presente um programa do PSD e CDS, apresentaremos uma moção de rejeição". Para o PCP, "PSD e CDS não reúnem condições para que Passos Coelho possa ser indigitado como primeiro-ministro", voltando depois a dizer o que disseram ontem António Costa (PS) e Catarina Martins (BE): "A acontecer", essa indigitação do ainda primeiro-ministro "será uma manifesta perda de tempo".

Depois, a delegação comunista deixou Belém sem dizer nada sobre eventuais acordos à esquerda. "Não queremos dizer nem mais nem menos do que dissemos ao sr. Presidente da República."

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.