PCP chumba mudança de nome do Cartão de Cidadão

O PCP anunciou hoje que é contra a mudança de nome do Cartão de Cidadão para Cartão de Cidadania, como propôs o Bloco de Esquerda

"É uma matéria claramente não prioritária", disse o deputado Jorge Machado, argumentando também que esta "não é uma questão de género mas de gramática".

Para o parlamentar comunista, há um "conjunto vasto de problemas" com o Cartão de Cidadãos que são "mais importantes para resolver".

Por exemplo o seu custo para cada utilizador ou o facto de - ao contrário do que acontecia com o Bilhete de Identidade - não ser vitalício para os cidadãos com 70 anos ou mais.

Segundo contou ao DN, este problema já teve consequências nos últimos atos eleitorais, dado que muitos idosos não se tinham apercebido que o seu Cartão de Cidadão (que incorpora a valência de cartão de eleitor) estava caducado.

A mudança de nome foi proposta pelo BE. No preâmbulo do projeto de resolução, os bloquistas consideraram que a designação do cartão "não deve ficar restrita à formulação masculina, que não é neutra, e deve, pelo contrário, beneficiar de uma formulação que responda também ao seu papel de identificação afetiva e simbólica, no mais profundo respeito pela igualdade de direitos entre homens e mulheres".

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

Onde pára a geração Erasmus? 

A opinião em jornais, rádios e televisões está largamente dominada por homens, brancos, nascidos algures no século passado. O mesmo se passa com jornalistas e políticos que fazem a maior parte dos comentários. Este problema está há muito identificado e têm sido feitos alguns esforços para se chegar a uma maior diversificação desta importante função dos órgãos de comunicação social. A diversidade não é receita mágica para nada, mas a verdade é que ela necessariamente enriquece o debate. Quando se discute o rendimento mínimo de inserção, por exemplo, o estatuto, a experiência, o ponto de vista importa não só dentro da dicotomia entre esquerda e direita, mas também consoante as pessoas envolvidas estejam mais ou menos directamente ligadas aos efeitos das políticas em discussão. Esta constatação é demasiadamente banal para precisar de maior reflexão. Acontece que, paradoxalmente ou não, se tem assistido a uma maior diversificação social entre a classe política activa do que propriamente entre aqueles que sobre ela opinam.

Premium

Viriato Soromenho Marques

Na hora dos lobos

Na ação governativa emergem os sinais de arrogância e de expedita interpretação instrumental das leis. Como se ainda vivêssemos no tempo da maioria absoluta de um primeiro-ministro, que o PS apoiou entusiasticamente, e que hoje - acusado do maior e mais danoso escândalo político do último século - tem como único álibi perante a justiça provar que nunca foi capaz de viver sem o esbulho contumaz do pecúlio da família e dos amigos. Seria de esperar que o PS, por mera prudência estratégica, moderasse a sua ação, observando estritamente o normativo legal.