Passos diz que é "atestado de menoridade" proibir jogos de futebol em dia de eleições

"Não me parece que seja a abordagem adequada e correta", defende o líder do PSD

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, defendeu hoje que proibir jogos de futebol ou outros eventos desportivos ou culturais por causa de um ato eleitoral "é passar um atestado de menoridade às pessoas".

"Acho que não é o caminho, para ser direto. Acho que era bom, e estamos todos de acordo, que não houvesse tanta abstenção nas eleições locais. As pessoas não vão votar porque não querem", afirmou Passos Coelho.

O presidente dos sociais-democratas falava aos jornalistas à chegada a Vila Velha de Ródão, no distrito de Castelo Branco, onde foi fazer uma pequena viagem pelo rio Tejo e participou num lanche com os candidatos autárquicos locais do partido.

"Seria bom que conseguíssemos mobilizar essas pessoas. Nós esforçamo-nos para que isso aconteça. Supor que as pessoas não vão votar porque há espetáculos desportivos é realmente, como eu digo, passar um atestado de menoridade às pessoas. Não me parece que seja a abordagem adequada e correta. Não é por essa via que vamos lá", frisou.

Questionado sobre o caso Tecnoforma, o líder do PSD recusou-se a fazer qualquer comentário.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG