Passos Coelho reafirma que nunca convidou ninguém a emigrar

Primeiro-ministro disse ontem que o convite à emigração era "mito urbano". Esta terça-feira, reafirmou o desmentido e acrescentou que há "outros mitos" a circular, como o da refundação do Estado.

O primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, reafirmou hoje que não convidou ninguém a emigrar e adiantou que há outros mitos a circular, nomeadamente o de que falou na refundação do Estado.

"Já conseguiram investigar desde ontem [segunda-feira] uma frase minha em que eu tenha dito aos jovens portugueses que o que valia a pena era emigrar?", questionou o chefe do executivo.

Passos Coelho argumentou que o que disse foi que infelizmente cada vez há menos crianças e as escolas portuguesas estão a ficar com menos alunos e se existem menos alunos, não se pode ter mais professores.

"Aqueles que têm a vocação de ensinar, das duas uma: ou encontram uma alternativa no espaço da língua portuguesa ou então reconvertem-se e experimentam outras alternativas e outras experiências para poderem viver com dignidade. Mas isso não é convidar ninguém para a emigração", revelou.

O primeiro-ministro falava aos jornalistas à margem da entrega dos prémios "Fundação Ilídio Pinho - Ciência na Escola" que decorreu em Castelo Branco.

Na segunda-feira, Pedro Passos Coelho tinha negado que tenha incentivado os jovens portugueses a procurarem emprego no estrangeiro, classificando de "mito urbano" uma afirmação nesse sentido.

Hoje, o governante adiantou ainda que existem outros mitos a circular: "Podem procurar o mito de que eu tenha falado da refundação do Estado. Imensos jornais falaram da refundação do Estado, numa expressão que nunca utilizei. É outro dos mitos que se associa às minhas intervenções públicas, que eu defendi a refundação do Estado", disse.

Pedro Passos Coelho fez questão de explicar que, neste caso concreto, apelou ao espírito refundador do memorando para se fazer a reforma do Estado.

Segundo o governante, por vezes surgem notícias com uma fonte que não é precisa e depois muitas gente repete essa fonte e ela passa a ser verdadeira quando não existe.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.