Passos acusa Governo de seguir estratégia económica errada

Líder do PSD defendeu a necessidade de "olhar para a exportação" e de "atrair investimento direto externo"

O presidente do PSD, Pedro Passos Coelho, considerou hoje que a estratégia do Governo está errada e que a política económica tem que ser corrigida para se recentrar na captação de investimento estrangeiro e não no aumento dos rendimentos.

A estratégia do Governo em termos de política económica "está errada", afirmou Pedro Passos Coelho defendendo a necessidade de "olhar para a exportação" e de "atrair investimento direto externo" para permitir o crescimento da economia nacional.

"Se não tivermos a capacidade de atrair investimento que venha de fora cresceremos sempre pouquinho", disse o líder do PSD, lembrando que as disponibilidades para investir "seja do lado das famílias, seja do lado do Estado, seja do lado das principais empresas, são muito escassas".

Passos Coelho falava aos jornalistas nas Caldas da Rainha à margem de uma visita à Schaeffler Portugal, uma empresa produtora de rolamentos que emprega 508 pessoas e exporta 100% da sua produção.

Para o ex-primeiro-ministro, os dados do crescimento económico que apontam para um crescimento da economia portuguesa na ordem do 0,8% - aproximadamente metade da média de crescimento europeia (1,5%) - demonstram que "alguma coisa em Portugal não está a correr bem".

O país cresce "a meio gás", pondo em risco "as estimativas do Governo para este ano" afirmou Passos para quem "começa a ser muito evidente" que a estratégia da política económica seguida pelo executivo socialista "precisa de ser corrigida".

A empresa visitada esta manhã por Passos Coelho tem um volume de negócios de 57 milhões de euros e prevê exportar este ano 80 milhões de rolamentos.

Num dia dedicado às pequenas e médias empresas, Passos Coelho vai ainda reunir-se com a Associação Empresarial da Região de Leiria, antecedendo um almoço com empresários e, à tarde, uma visita à empresa TJ Moldes, na Marinha Grande.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.