Parque Escolar sem capacidade para liquidar faturas

A administração da Parque Escolar (PE), que tomou posse em março, depara-se com uma situação de tesouraria incapaz de liquidar faturas no prazo previsto, de 60 dias, nomeadamente aos empreiteiros que estão a enfrentar "sérias dificuldades".

Num relatório a que os media tiveram acesso, a nova administração diz que "avultam as dificuldades decorrentes de limitações financeiras".

O total das verbas em dívida pela empresa ascende a 98 milhões de euros, prevendo-se "a plena regularização da situação até ao final do mês de junho".

O atraso nos pagamentos "revela-se crítico e levanta problemas acrescidos", em termos de pagamentos a quem faz as obras e de diversas suspensões de obra decididas pelos adjudicatários, escrevem os responsáveis pela empresa no documento já enviado à tutela.

Leia mais pormenores no e-paper do DN.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG