Os serviços que se fazem nas farmácias e evitam 22 mil idas aos hospitais

Serviços das farmácias conseguem poupar 880 milhões por ano e travar milhões de atos no SNS. Ordem quer serviços adicionais

Em Loriga, na Guarda, há um centro de saúde, um posto de correios que só abre de manhã - com ajuda da junta de freguesia - e uma farmácia, que também teve de reduzir o horário com a chegada da crise económica. Mas mantém-se estoicamente aberta para a população, muito idosa, dispensando muito mais do que medicamentos e conselhos terapêuticos. "Somos o apoio de muitos idosos, damos suporte social e psicológico", conta a diretora da Farmácia Popular, Paula Rodrigues. "Aos sábados, alguns idosos ou familiares vêm cá para prepararmos as caixinhas com os medicamentos da semana. Muitos estão sozinhos e trocam tudo", conta.

O espírito de missão conta-se nestas respostas que chegam à população. São cerca de 70 serviços que não são pagos, na maioria, e que têm um valor inestimável para a população, seja na redução de idas a serviços de saúde, poupanças ao sistema e utentes e ainda na melhoria da qualidade de vida.

Segundo os dados preliminares de um estudo que será hoje divulgado no congresso nacional dos farmacêuticos, há 4,2 milhões de portugueses que vão às farmácias para ter acesso a cuidados de saúde: medição da tensão arterial, da glicemia, educação para a diabetes e outras doenças crónicas, realização de testes ou serviços para adesão à terapêutica. Anualmente são 120 milhões de intervenções realizadas nestas unidades, que evitam 22 mil urgências por ano e outros tantos internamentos.

Leia mais na edição impressa ou no e-paper do DN.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.