Esperas de 20 horas e doentes internados nas urgências

Ordem dos Médicos admite situações complicadas e graves na urgência de alguns hospitais

A Ordem dos Médicos assume que há situações anómalas e graves nas urgências de alguns hospitais nos últimos dias, embora não generalize o panorama a todas as unidades do país.

"Na última semana houve algumas situações complicadas", afirmou hoje o bastonário dos Médicos, Miguel Guimarães, em declarações à agência Lusa.

Um dos casos é o do hospital de Vila Nova de Gaia, que teve nos últimos dias "uma afluência muito elevada" de utentes à urgência e que tem 24 pessoas internadas no serviço de urgência.

"Isto, por exemplo, é caótico, de facto", comentou Miguel Guimarães. Entretanto, esta tarde, o Centro Hospitalar de Vila Nova de Gaia/Espinho assegurou hoje que o serviço de urgência está "a funcionar regularmente, dentro do expectável para o período do ano", e que os "tempos-alvo de espera estão a ser cumpridos".

A bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, denunciou no sábado "o caos instalado na maior parte das urgências do país" e apelou ao Ministério da Saúde para que "tome uma atitude".

Ainda quanto ao hospital de Gaia, o bastonário dos Médicos diz que a administração da unidade de saúde pediu junto do Ministério para ativar o plano de contingência que permitiria usar 20 camas extra, mas o pedido ainda não foi autorizado.

Miguel Guimarães deu ainda o exemplo do Hospital de Faro, onde refere que nos últimos dias se chegaram a registar esperas de 20 horas nas urgências.

"Faro tem problemas gravíssimos, há muito. Inclusive tem escalas de médicos incompletas e muitas vezes só asseguradas por internos", afirmou.

Entretanto, de acordo com o gabinete de comunicação do Centro Hospitalar Universitário do Algarve (CHUA), "o atendimento no Serviço de Urgência (SU) foi normalizado ao início da noite de sábado, mantendo-se hoje os tempos normais para o atendimento dos utentes".

A Ordem dos Médicos tem também registo de problemas no hospital de Vila Nova de Foz Côa, referindo que a urgência básica esteve fechada durante o Natal por falta de médico.

No hospital Padre Américo (Vale do Sousa), o bastonário diz que no sábado o tempo de espera para doentes com pulseira laranja chegou a estar "cinco, seis ou sete vezes acima" dos 10 minutos definidos para estes doentes considerados urgentes.

Há ainda nota de "excesso de doentes" no hospital de São João, com "os tempos de espera a aumentar", chegando a ultrapassar as duas horas para as pulseiras amarelas, definidas com uma espera até uma hora.

Para Miguel Guimarães, "o ministro da Saúde não preparou os serviços atempadamente" para este período de inverno e de aproximação da gripe.

"Está a acontecer mais uma vez o que já aconteceu em anos anteriores", disse o bastonário, considerando que "falhou o plano de contingência definido pela Direção-geral da Saúde".

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.