"O ministro não se demitiu nem foi demitido"

O líder do PSD criticou hoje, quinta-feira, a forma como o Governo encarou os problemas que se verificaram nas presidenciais de dia 23 por causa do cartão do cidadão, nomeadamente a atitude de Rui Pereira.

"Este não é um erro burocrático, administrativo, pelo qual baste pedir desculpas. Como cidadão, aquilo que eu teria esperado era que quem tem responsabilidade política tivesse logo tirado consequências. Não é preciso estar a oposição ou o país a pedir a demissão de ninguém", declarou Passos Coelho aos jornalistas, no final de uma visita a uma empresa, em Oeiras.

"O ministro nem se demitiu nem foi demitido, o que já diz tudo da maneira como o Governo encara estes processos", acrescentou. De acordo com Passos Coelho, "era importante que o país percebesse que há responsabilidade política que poderia ter sido tomada e que este Governo, pelos vistos, não gosta de tomar".

Segundo o presidente do PSD, "já tinha sido dado um sinal nas eleições de há um ano", em que "já houve milhares de pessoas que não puderam votar" por não saberem o seu número de eleitor e o seu local de voto. Portanto "o Governo sabia, porque estava avisado disso", que "potencialmente esta situação poderia ocorrer".

"Ora, ela ocorreu e o Estado mostrou que não estava sequer preparado para lidar com ela. Isto não é desculpável", completou. Pedro Passos Coelho questionou se, "além de pedir desculpa, há mais alguma outra coisa que o Governo tenha a dizer de porque é que esta situação ocorreu e o que é que está a fazer para que ela não volte a repetir-se".

O presidente do PSD recusou que esteja a "partidarizar" ou a "criar instabilidade" a este propósito: "Trata-se de olhar de frente para um problema que é um problema político e que não tem qualquer espécie de desculpa".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG