"O meu empenho será total para o sucesso da tua liderança"

O vice-presidente do CDS, que foi apontado como candidato a suceder a Paulo Portas, deixou claro o seu apoio a Assunção Cristas


Além de Paulo Portas e de Assunção Cristas foi, até ao momento, o único orador a levantar os congressistas para aplausos de pé. Na sua intervenção, na linha do que já de manhã tinha dito Portas, Nuno Melo quis fechar "feridas" e possíveis ruturas no partido, designadamente da parte de dirigentes e militantes que o preferiam a ele para líder ."A Assunção Cristas está em muito melhores condições para liderar o CDS do que eu próprio estaria neste momento. O meu empenho será total para que Assunção tenha uma liderança de sucesso e muito duradoura. E se correr mal, eu cá estarei para assumir as responsabilidades", afirmou.

Nuno Melo será um dos vice-presidentes do novo núcleo restrito da Comissão Política de Cristas.

Para Nuno Melo, é muito importante que Assunção tenha tido a preocupação de unir o partido, convidando para a apoiar nos órgãos nacionais, várias pessoas que estavam mais afastadas antes. "Recordo um lema que aprendi na tropa, quando era obrigatório o serviço militar obrigatório, no regimento de infantaria de Santarém: "não importa quem é mais rápido ou quem chega a frente, o que importa é que não fique ninguém para trás. E quando olho para ti, Assunção, vejo que não ficou ninguém para trás. Isto é o melhor contributo para o país. É muito importante que o CDS esteja unido e que não fique ninguém para trás".

Exclusivos

Premium

João Lopes

A última tentação cinéfila

O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.O ator Willem Dafoe é um dos homenageados do Lisbon & Sintra Film Festival: entre os seus títulos mais emblemáticos inclui-se A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese, filme gerado num contexto de produção de Hollywood que já não existe.

Premium

Número dispara em quatro meses

Há 3685 desfibrilhadores em Portugal

Em quatro meses, o Instituto Nacional de Emergência Médica colocou mais de mil desfibrilhadores em espaços públicos. Mas faltam ainda muitos passos para cumprir à risca a legislação criada em 2012. No concelho de Ansião (Leiria), um enfermeiro apresentou uma proposta ao orçamento participativo e a câmara vai instalar 18 aparelhos nos espaços públicos. Foi lá que há dois anos um dispositivo desses salvou a vida a um bombeiro.