"Um beijo e um abraço muito fortes" à mãe de Rui Pedro

A directora do Departamento Central de Investigação e Acção Penal (DCIAP), Cândida Almeida, enviou hoje "um beijo e um abraço muito fortes" à mãe de Rui Pedro, a criança de Lousada que está desaparecida desde Março de 1998.

"Aproveito para enviar daqui um abraço muito forte e um beijo muito forte àquela mãe, que tem sofrido durante estes anos no seu silêncio, no seu murmúrio, mas eu estou com ela. É mais do que um processo crime, é uma questão de vida, e estou com ela", referiu Cândida Almeida.

Rui Pedro, então com 11 anos, desapareceu a 4 de Março de 1998.

O tribunal de Lousada marcou para 17 de Novembro o início do julgamento do homem acusado da criança, após uma investigação que passou pelo DCIAP.

"Se o apresentámos, é porque entendemos que há provas suficientes, mas obviamente o julgamento é que é a sessão solene, o ponto alto de qualquer processo judicial, em que se vão confrontar as provas da acusação e da defesa. Espero e aguardo que seja feita justiça", sublinhou Cândida Almeida.

Em relação às queixas dos pais de Rui Pereira, uma outra criança que desapareceu um ano depois em Vila Nova de Famalicão, que dizem não ter qualquer informação sobre o processo, Cândida Almeida lembrou que o caso não está nas mãos do DCIAP mas acrescentou que "a família tem direito de saber o que se passa".

"Não é só uma questão jurídica, é também um questão de solidariedade e humanidade", referiu, aconselhando a família a dirigir-se ao procurador distrital.

Cândida Almeida falava em Braga, à margem da conferência "Ministério Público e o Combate à Corrupção", promovida pela Procuradoria Geral da República.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG