Rio adia decisão sobre a demolição para depois das eleições

Rui Rio anunciou hoje que vai adiar para depois das eleições a decisão sobre a demolição do Bairro do Aleixo.

A decisão do presidente da Câmara do Porto foi comunicada em conferência de imprensa com a demolição no Aleixo como único ponto da ordem de trabalhos.

Os vereadores do PS da Câmara do Porto tinham pedido, a 08 de Setembro, que a maioria PSD/PP adiasse para depois das eleições autárquicas a decisão sobre a demolição do bairro do Aleixo, mas o presidente Rui Rio disse na altura que o processo já estava fechado.

A única proposta de adjudicação da demolição do bairro, foi do consórcio encabeçado por duas sociedades do grupo Espírito Santo (a Gesfimo - Sociedade de Fundos de Investimento Imobiliário e a Espart - Espírito Santo Participações Financeiras), única entidade que se mostrou interessada no concurso público para a criação de um fundo especial de investimento imobiliário.

O concurso público para a criação de um fundo especial de investimento imobiliário foi lançado a 12 de Agosto de 2008, mas o procedimento esteve suspenso cerca de três meses devido a uma providência cautelar interposta pela Associação de Promoção Social da População do Bairro do Aleixo.

O Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto indeferiu a acção e o concurso, retomado em Novembro, teve apenas aquele concorrente: o consórcio liderado por duas sociedades do grupo Espírito Santo.

A empresa, que ficaria com o terreno onde está situado o bairro para urbanização, apresentou um custo global superior a 14 milhões de euros para a demolição das cinco torres do Aleixo e para construir 300 habitações sociais no concelho, com vista ao realojamento dos moradores.

Em contrapartida, a autarquia deveria disponibilizar ao consórcio três terrenos camarários e edifícios para reabilitar no centro histórico da cidade.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG