PJ investiga causas de incêndio que destruiu apartamento

A Polícia Judiciária (PJ) foi hoje chamada a investigar as origens do incêndio que deixou "inabitável" e "totalmente destruído" o apartamento de um sexagenário num prédio na zona da Boavista, no Porto, revelou fonte dos Bombeiros Sapadores.

"A PJ foi chamada, está a tomar conta da ocorrência. Em princípio tudo começou na cozinha, mas as causas ainda estão por apurar uma vez que a casa ficou completamente danificada. Está inabitável", afirmou aos jornalistas, Joaquim Teixeira, chefe do Batalhão de Sapadores Bombeiros do Porto.

O fogo começou pelas 13:00 num apartamento do segundo andar de um prédio da rua Barbosa du Bocage, foi combatido por 28 homens apoiados por quatro viaturas, entrou em fase de rescaldo pelas 14:00 e provocou um desalojado, indicou a mesma fonte, acrescentando que os vizinhos podem regressar a suas casas "a qualquer momento".

O morador da casa que ardeu, José António, de 64 anos, apenas chegou ao local perto das 15:00 sem fazer "a mínima ideia do que aconteceu" e garantindo não ter deixado "nada ligado".

"Vivo aqui há muitos anos. Não sei como vai ser daqui para a frente. Só vou conseguir avaliar depois de perceber o que aconteceu e ver o estado em que está a minha casa", afirmou.

Durante o combate ao fogo, quatro moradores do terceiro andar tiveram de aguardar numa varanda até poderem descer pelas escadas em segurança e o cão de José António foi salvo do apartamento em chamas por um bombeiro, indicou o chefe dos Sapadores.

De acordo com Joaquim Teixeira, quando os bombeiros chegaram ao local, "o fogo estava a alastrar com muita rapidez", pelo que foi combatido com "duas agulhetas" com as quais se conseguiu "rapidamente controlar o fogo".

Maria da Glória, moradora no segundo andar e vizinha do sexagenário que residia na casa que ardeu, entrou "em pânico" quando se apercebeu do incêndio, depois de "tocarem à porta do prédio a avisar das chamas".

"Toda a gente, pelo menos do meu andar, conseguiu sair sozinha. Quando saímos ainda só estava a arder, não havia fumo. Arrombámos a porta, pelo menos para tentar salvar o cão, mas as chamas já estavam muito altas na zona da cozinha", informou.

Bruno Fernandes, trolha de 20 anos, regressava do almoço quando viu o incêndio, pensando que era na casa do 3º andar que estava a requalificar.

"Vi que era no segundo andar, entrei lá dentro mas não deu para fazer nada, só para desligar a luz. As obras no apartamento onde estava a trabalhar tinham de ficar prontas para o Natal, agora nem no Carnaval. Está tudo alagado", disse o trabalhador.

Um incêndio de grandes proporções deflagrou hoje numa habitação da Rua Barbosa du Bocage, no Porto, na zona do Bom Sucesso, Boavista.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG