Torre 5 do Bairro do Aleixo vai ser demolida dia 16

A Câmara do Porto agendou hoje para a manhã de dia 16 de Dezembro a demolição por implosão da Torre 5 do Bairro do Aleixo, estando prevista a evacuação dos moradores das torres adjacentes.

A decisão foi hoje tomada em reunião da Comissão Municipal de Protecção Civil do Porto onde, e de acordo com os pareceres técnicos do grupo de trabalho responsável pelo processo, foi concluído que "se encontravam reunidas as condições para avançar com a implosão da Torre 5, que se apresenta totalmente devoluta há já algumas semanas", informa a autarquia em comunicado. O mesmo grupo de trabalho propôs o dia 16 de Dezembro para a demolição por coincidir com a da primeira vitória eleitoral de Rui Rio, em 2001, para a Presidência da Câmara Municipal do Porto.

A câmara explica ter optado pelo método da implosão "por ser um método mais rápido e seguro, designadamente para os trabalhadores e técnicos mais directamente envolvidos". Para lá da convocação da Comissão Municipal de Protecção Civil, o presidente da câmara accionou os mecanismos legais imperativos, designadamente a declaração de situação de alerta. Contactada pela Lusa, a presidente da junta de freguesia de Lordelo do Ouro, Gabriela Queiroz, clarificou que a demolição ocorrerá entre as 08:30 e as 12:30, altura em que, "por razões de segurança e prevenção", terão de ser evacuados os moradores das torres adjacentes (3 e 4).

Nesse sentido haverá também condicionamento de tráfego no local estarão envolvidos membros da PSP, Polícia Municipal, bombeiros e protecção civil. Durante esse período a câmara irá disponibilizar um espaço, ainda não decidido, para os moradores que não tenham local para onde ir, que contará com apoio médico, bem como transporte. Gabriela Queiroz garantiu que o processo estará terminado pelas 12:30, hora em que "todos poderão regressar a casa". A autarca de Lordelo do Ouro lançou por fim um apelo "à sensibilidade e calma para que tudo corra com normalidade" já que "com o contributo de todos mais fácil será o desenrolar do processo".

No comunicado a câmara do Porto explica que esta demolição "corresponde a um compromisso do actual Executivo Municipal, assumido formalmente na campanha eleitoral de 2009, que visa acabar com a degradação e a miséria humana existente no Bairro do Aleixo, com fortes repercussões na sua área envolvente e na segurança da cidade em geral". O documento recorda que "no dia 9 de janeiro de 2002, precisamente um dia depois de ter tomado posse pela primeira vez, Rui Rio deslocou-se simbolicamente ao Bairro de S. João de Deus, conhecido, na altura, pelo Casal Ventoso do Porto" tendo, meses mais tarde, começado a ser demolidos os primeiros blocos onde "se concentravam os maiores traficantes de droga do Norte do país". "Em simultâneo, a Câmara Municipal do Porto implementou uma nova política de rendas sociais e de ocupação dos fogos que visa responder de forma mais justa às situações de carência habitacional e proporcionar aos atuais moradores melhores condições de habitabilidade e de inserção social", salienta a autarquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.