Torre 5 do bairro do Aleixo já foi abaixo

(Com Vídeo). A operação foi um sucesso. Cinco segundos bastaram para a implosão ser consumada.

A implosão da torre 5 do bairro do Aleixo, no Porto, aconteceu às 11h45 em ponto. E decorreu conforme o previsto. Em apenas cinco segundos, tudo foi transformado em escombros.

Perto do local estão alguns populares (possivelmente inquilinos) que reclamam e choram contra a demolição da Torre. A polícia criou um perímetro de segurança.

Antes houve um trabalho de evacuação dos edifícios e feitas duas verificações: uma ao perímetro de segurança, para verificar a existência de alguma pessoa ou algum animal, e outra às cargas explosivas.

Só depois dessa verificação teve inicio o processo de implosão.

Os dois minutos prévios ao accionar do botão foram assinalados com um toque sonoro, explicou Rebelo da Silva.

Seguiram-se vinte segundos de um toque contínuo, após o que foi feita a contagem decrescente de dez até zero. Só nesse momento foi accionado o mecanismo para a implosão.

A implosão dos 13 pisos da primeira das cinco torres do bairro a serem demolidas envolveu 150 quilos de vários tipos de material explosivo.

Implosão pode ser abortada "até ao carregar no botão"

O comandante operacional da Protecção Civil do Porto admitiu hoje à Lusa que o processo de implosão da torre 5 do Bairro do Aleixo, no Porto, poderia "ser abortado até ao carregar no botão".

Se o vento soprasse a mais de 80 quilómetros por hora o processo teria de ser abortado.

Das 509 pessoas que saíram do Bairro do Aleixo, apenas 37 solicitaram a permanência nos postos de apoio preparados para o efeito.

Estes 37 moradores estão nas instalações da Polícia Municipal do Porto, onde foram colocados meios para que possam assistir à implosão da torre 5. Destas pessoas, três tem necessidades especiais, pelo que estão a ser acompanhadas pelo INEM.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.