Torre 4 demolida sexta-feira é a segunda a ser implodida

A implosão da torre 4 do bairro do Aleixo, no Porto, está marcada para a manhã de sexta-feira, mais de um ano depois da demolição do primeiro dos cinco blocos do complexo onde agora apenas vivem 138 famílias.

Esta operação para deitar abaixo o prédio de 13 andares, já transformado num esqueleto de betão cheio de cargas explosivas, decorrerá entre as 08:30 e as 12:30 de dia 12.

A torre 5, a mais próxima do rio Douro, foi a primeira a ser implodida, em dezembro de 2011, numa altura em que o autarca esperava ter o bairro totalmente demolido até ao fim do mandato.

Um ano depois, a Câmara do Porto revelou à Lusa que apenas previa demolir em 2013 "mais uma ou duas" das quatro torres de 13 andares que restavam no bairro concluído em 1976, onde já moraram 1300 pessoas.

A mudança de planos deveu-se à necessidade de "recalendarizar o plano de intervenção" devido à "alteração da composição do fundo de investimento".

Classificando a demolição como "um conhecido desígnio do atual executivo municipal" que "há muito considerou o bairro como irrecuperável" e viu essa decisão "sufragada nas eleições de 2009", a Câmara revelou na quarta-feira que permanecem em três torres do bairro 138 famílias e que outras tantas foram realojadas, pelo que "a taxa de desocupação da totalidade do bairro é superior a 50%".

Coordenada pelo serviço municipal de Proteção Civil, a demolição da torre 4 é "financiada pelo Fundo Especial de Investimento Imobiliário [FEII]" criado pela autarquia para demolir o bairro.

A primeira torre do bairro foi demolida por implosão às 11:45 de 16 de dezembro de 2011, precisamente dez anos depois da inesperada primeira vitória eleitoral de Rui Rio nas autárquicas de 2001.

O prédio de 13 pisos veio abaixo em segundos, como um suspiro, cinco horas depois de se iniciar uma operação que envolveu 150 quilos de vários materiais explosivos e obrigou mais de 500 moradores a abandonar as casas.

Carregada com 550 cargas explosivas nos três primeiros pisos e no oitavo andar, a torre caiu num instante deixando apenas uma nuvem de pó no ar - 25 quilos de explosivos distribuídos por dez tanques de água colocados à volta do edifício absorveram poeiras e detritos.

A intenção de demolir o "Aleixo" foi anunciada dois anos e seis meses antes, a 16 de julho de 2008, numa altura em que se estimava que lá vivessem cerca de 960 pessoas.

O processo foi suspenso durante a campanha autárquica de 2009 devido à contestação dos outros candidatos, mas Rio retomou a ideia depois de nova eleição.

Em maio de 2012 o principal investidor do FEII (Vítor Raposo, através da Gesfimo) ainda não tinha subscrito os 60% de unidades de participação apesar de já ter expirado o prazo contratual, pelo que em julho a Câmara aprovou um aumento da participação autárquica no fundo e a entrada do ex-futebolista e treinador António Oliveira no negócio.

Atualmente, o fundo "INVESURBE encontra-se totalmente estabilizado" pois "o capital foi totalmente realizado por todos os investidores que atualmente" o compõem: Câmara do Porto, Espart e António Oliveira, cujas participações no capital são, respetivamente, de 30%, 33% e 37%", divulgou o gabinete de comunicação do município na quarta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.