Rui Rio chamado para responder a quem o chama "fdp"

O presidente da Câmara do Porto foi convocado para responder em tribunal à contestação apresentada pelo empresário Manuel Leitão à providência cautelar interposta pela autarquia para impedir a distribuição do guia onde se lia "Rio és um fdp".

A convocatória judicial para "audiência de inquirição de testemunhas", a que a Lusa teve hoje acesso, notifica Rui Rio para comparecer perante a juíza para "a produção de prova", na sequência de um pedido de audição de testemunhas feito pelo empresário.

Na oposição apresentada em tribunal por Manuel Leitão, os seus representantes legais usam termos como "caraças" e apelidam Rui Rio de "narcisista" e "fanático dos popós".

A providência cautelar interposta pela Câmara para suspender a distribuição do guia Porto Menu em cuja capa se lia "Rio és um fdp" foi aceite pelo tribunal, mas o empresário resolveu "deduzir oposição" à mesma.

Referindo nunca ter estado "em situação de confronto ou animosidade" com Rui Rio, o empresário que puxou as orelhas ao autarca lembra que este tem "uma paixão profunda por automóveis" e por isso, "bem pode ser chamado Fanático dos Popós".

Manuel Leitão sustenta que rir "deve ser permitido a qualquer FDP (leia-se Filho de Deus)" e que "muito embora" o presidente da Câmara "seja sobejamente conhecido pelo seu estilo desassombrado e direto, nem sempre é, pois se assim fosse teria diligenciado apurar o significado atribuído a FDP".

Pelo contrário, Rio "recorreu de imediato a tribunal, rodeado de vários sábios com o objetivo de desvendarem o enigma de FDP" e os mesmos "proferem o veridictum: FDP quer dizer Filho da Puta", escreve-se no documento.

Para os advogados do empresário "os aludidos sábios" chegaram a "conclusão precipitada, errada e irresponsável", pois Leitão "não teve a intenção" de chamar Rio "de filho da puta".

O documento dirige-se ainda a Miguel Relvas, referindo que o ministro, "que nem seria capaz de ganhar as eleições para a junta de freguesia de Cedofeita, é manifestamente incomparável" com Rui Rio "enquanto presidente da Câmara do Porto, caraças!".

Para os representantes legais de Manuel Leitão, Rio imputa ao empresário "um único facto: ter feito imprimir na capa da revista Porto Menu 'Rio és um fdp'" e, "a partir daí", acrescentam, "tece considerações politiqueiras acerca do tema, inclusive o seu significado [...] que aqui se considera integrado mas não se repete por se considerar uma autêntica alarvice".

"Com a proposição 'Rio és um fdp'", o empresário "não teve como objetivo ofender" o edil, argumentam os advogados, referindo a existência de sociedades comerciais "que têm na sua firma FDP".

"Quem tem coragem de dizer que tais sociedades pertencem a 'filhos da puta'?", escreve-se, para logo a seguir responder "só mentes doentes, maldosas e mal formadas".

"O requerente viu maldade e insultos onde intenção malévola não existia", refere a sociedade de advogados acrescentando que "o requerente é um narcisista que pensa que a democracia é um bem supremo".

De acordo a edição de 06 de julho do jornal Público, o empresário puxou uma orelha ao presidente da Câmara do Porto para "chamar a atenção para o estado degradante em que se encontra o mercado do Bolhão"

A capa da última edição do "Porto Menu" continha uma imagem do mercado do Bolhão com um grafito em que se lê, em maiúsculas, "Rio és um fdp".

A autarquia mandou retirar de todos os espaços municipais o último número do guia em carta enviada aos anunciantes e classificou como "absolutamente inadmissível" a publicação de uma fotografia "com uma inscrição gravemente insultuosa de uma pessoa, em particular do presidente da Câmara".

A 16 de junho, o empresário ganhou a concessão e exploração da antiga biblioteca infantil do jardim do Marquês na hasta pública que tinha por base de licitação 260 euros mensais e que foi fechada depois de Manuel Leitão ter oferecido 610 euros.

Antes da abertura da sessão, o empresário afirmou que pretendia ficar com o edifício para reabrir a biblioteca infantil e ali colocar "uma exposição permanente das patifarias que Rui Rio tem feito na cidade nos últimos dez anos".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?