Rio adia decisão sobre a demolição para depois das eleições

Rui Rio anunciou hoje que vai adiar para depois das eleições a decisão sobre a demolição do Bairro do Aleixo.

A decisão do presidente da Câmara do Porto foi comunicada em conferência de imprensa com a demolição no Aleixo como único ponto da ordem de trabalhos.

Os vereadores do PS da Câmara do Porto tinham pedido, a 08 de Setembro, que a maioria PSD/PP adiasse para depois das eleições autárquicas a decisão sobre a demolição do bairro do Aleixo, mas o presidente Rui Rio disse na altura que o processo já estava fechado.

A única proposta de adjudicação da demolição do bairro, foi do consórcio encabeçado por duas sociedades do grupo Espírito Santo (a Gesfimo - Sociedade de Fundos de Investimento Imobiliário e a Espart - Espírito Santo Participações Financeiras), única entidade que se mostrou interessada no concurso público para a criação de um fundo especial de investimento imobiliário.

O concurso público para a criação de um fundo especial de investimento imobiliário foi lançado a 12 de Agosto de 2008, mas o procedimento esteve suspenso cerca de três meses devido a uma providência cautelar interposta pela Associação de Promoção Social da População do Bairro do Aleixo.

O Tribunal Administrativo e Fiscal do Porto indeferiu a acção e o concurso, retomado em Novembro, teve apenas aquele concorrente: o consórcio liderado por duas sociedades do grupo Espírito Santo.

A empresa, que ficaria com o terreno onde está situado o bairro para urbanização, apresentou um custo global superior a 14 milhões de euros para a demolição das cinco torres do Aleixo e para construir 300 habitações sociais no concelho, com vista ao realojamento dos moradores.

Em contrapartida, a autarquia deveria disponibilizar ao consórcio três terrenos camarários e edifícios para reabilitar no centro histórico da cidade.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Brexit

"Não penso que Theresa May seja uma mulher muito confiável"

O diretor do gabinete em Bruxelas do think tank Open Europe afirma ao DN que a União Europeia não deve fechar a porta das negociações com o Reino Unido, mas considera que, para tal, Theresa May precisa de ser "mais clara". Vê a possibilidade de travar o Brexit como algo muito remoto, de "hipóteses muito reduzidas", dependente de muitos fatores difíceis de conjugar.

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.