PS exige transparência no negócio imobiliário do Aleixo

O presidente da concelhia do Porto do PS, Manuel Pizarro, exigiu hoje "transparência" do executivo municipal no negócio imobiliário associado à demolição do Bairro do Aleixo, que irá começar na sexta-feira.

"Vamos pedir na próxima reunião de câmara [terça-feira] que nos seja dada cópia do contrato assinado", afirmou Manuel Pizarro, numa visita a um imóvel municipal em ruínas que deveria estar em obras de recuperação ao abrigo daquele contrato. Segundo o líder do PS/Porto, há "incumprimento claro" da minuta de contrato entregue há cerca de dois anos, pelo que os socialistas querem verificar se o texto assinado é igual ao da minuta. O PS recordou que foi constituído em junho de 2010 um Fundo Especial de Investimento Imobiliário (FEII), designado Invesurb, que previa a construção ou reabilitação de 300 fogos, numa área total de 22.390 metros quadrados, e a sua entrega faseada a partir de 2011.

"O que foi dito à sociedade é que o Aleixo iria ser trocado por 300 fogos", salientou Manuel Pizarro, criticando o executivo PSD/CDS liderado por Rui Rio por se preparar para implodir a primeira das cinco torres do bairro sem ter reabilitado nenhum dos imóveis previstos no contrato. O presidente do PS/Porto realçou que o Bairro do Aleixo ocupa "terrenos muito apetecíveis na encosta do Douro", mas criticou que 260 famílias estejam a ser realojados noutros bairros sem que haja a prometida reabilitação de casas degradadas do Centro Histórico. O vereador do PS Manuel Correia Fernandes considerou de uma "ligeireza inaceitável" a grande discrepância entre as avaliações interna e externa da área edificável dos terrenos do Aleixo, de cerca de 20 mil e 26 mil metros quadrados, respetivamente.

O autarca sublinhou ainda que a minuta do contrato "impõe uma revisão do PDM [Plano Diretor Municipal] que ainda não foi feita". "É por isso que a lei da limitação dos mandatos é muito adequada", comentou Manuel Pizarro, enaltecendo o facto de Rui Rio já não se poder recandidatar ao cargo nas eleições autárquicas de 2013.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.