Professores acusam câmara de irregularidade em concurso

Docentes defendem que Câmara de Vieira do Minho aceitou informação falsa

Um grupo de professores preteridos no concurso para aulas de actividades extracurriculares (AEC) queixa-se de alegadas irregularidades da Câmara Municipal de Vieira do Minho e vai solicitar ao Tribunal Administrativo e Fiscal de Braga a impugnação das contratações.

A polémica subiu à última reunião do Executivo, e m que a coligação Unidos por Vieira (PSD/ /CDS) votou contra a consequente terceira alteração do quadro de pessoal, mas os vereadores da maioria socialista aprovaram as contratações. O líder da oposição, padre Albino Carneiro, ex-presidente da câmara, fez uma declaração de voto, contestando, além destas, "dezenas de contratações no espaço de um ano, quando to-da a gente sabe que não há dinheiro para isso".

Os professores, em documento enviado ao DN, sustentam que a autarquia minhota teria cometido "sucessivas irregularidades, prejudicando diversos candidatos com melhores currículos, que foram admitidos com informações falsas", como a suposta residência em Vieira do Minho. "Foram valorizados alguns candidatos através da atribuição de pontuação que não corresponde à realidade da situação dos mesmos, tais como a sua residência", referem os professores, queixando-se de que a sua exclusão teria sido "ilegal.

"Foi ainda atribuída pontuação relativa ao 'tempo de serviço' pelo júri a um candidato que na plataforma de contratação online referia não ter tempo de serviço a leccionar AEC", alegam ainda os professores, que estão já a preparar uma acção judicial para a impugnação do concurso. A Câmara Municipal de Vieira do Minho negou ao DN todas as acusações, já que "não existiram quaisquer anomalias durante o concurso", adiantando que "até agora ninguém apresentou uma única reclamação" (ver caixa).

Ler mais

Exclusivos

Premium

robótica

Quando os robôs ajudam a aprender Estudo do Meio e Matemática

Os robôs chegaram aos jardins-de-infância e salas de aula de todo o país. Seja no âmbito do projeto de robótica do Ministério da Educação, da iniciativa das autarquias ou de outros programas, já há dezenas de milhares de crianças a aprender os fundamentos básicos da programação e do pensamento computacional em Portugal.

Premium

Anselmo Borges

"Likai-vos" uns aos outros

Quem nunca assistiu, num restaurante, por exemplo, a esta cena de estátuas: o pai a dedar num smartphone, a mãe a dedar noutro smartphone e cada um dos filhos pequenos a fazer o mesmo, eventualmente até a mandar mensagens uns aos outros? É nisto que estamos... Por isso, fiquei muito contente quando, há dias, num jantar em casa de um casal amigo, reparei que, à mesa, está proibido o dedar, porque aí não há telemóvel; às refeições, os miúdos adolescentes falam e contam histórias e estórias, e desabafam, e os pais riem-se com eles, e vão dizendo o que pode ser sumamente útil para a vida de todos... Se há visitas de outros miúdos, são avisados... de que ali os telemóveis ficam à distância...

Premium

João César das Neves

Donos de Portugal

A recente polémica dos salários dos professores revela muito do nosso carácter político e cultural. A OCDE, no habitual "Education at a Glance", apresenta comparações de indicadores escolares, incluindo a remuneração dos docentes. O estudo é reservado, mas a sua base de dados é pública e inclui dados espantosos, que o professor Daniel Bessa resumiu no Expresso de dia 15: "Com um salário que é cerca de 40% do finlandês, 45% do francês, 50% do italiano e 60% do espanhol, o português médio paga de impostos tanto como os cidadãos destes países (a taxas de tributação que, portanto, se aproximam do dobro) para que os salários dos seus professores sejam iguais aos praticados nestes países."