Para 70% dos jovens a agressão é poder

Setenta por cento dos adolescentes e jovens do distrito do Porto entre 14 e 19 anos justificam a violência doméstica como uma necessidade de "exercer controlo", revela um estudo da docente da Universidade Fernando Pessoa, Madalena Oliveira. O universo do inquérito é o de 283 jovens adolescentes a frequentar os ensino secundário e profissional.

"Há um fenómeno transgeracional de violência doméstica. A probabilidade de estes jovens repetirem e serem vítimas de violência no futuro é altíssima", disse a autora do estudo.

Cerca de 61%dos inquiridos consideram que "os pais batem nos filhos para eles se corrigirem" e 57 % dizem ter sido vítimas de comportamentos abusivos nas suas relações de namoro.

"A tendência é agravar-se com o casamento e com a idade. Passam a cometer actos físicos mais severos, bofetadas, sovas, murros, pontapés e abuso sexual", afirmou.

A investigadora salientou que ficou muito vincada nos inquéritos a ideia do ditado "entre marido e mulher ninguém mete a colher", legitimadora da violência escondida.

Dos estudantes inquiridos, 45% admitiram ter praticado um acto abusivo com o seu parceiro de namoro, 16% afirmaram que já presenciaram comportamentos físicos abusivos, 64 % assistiram a comportamentos emocionais abusivos e 17 % assistiram a alguém a coagir outro familiar.

Este estudo vai envolver inquéritos a cerca de quatro mil estudantes de todo o país, da mesma faixa etária (14-19 anos).

Ler mais

Exclusivos

Premium

nuno camarneiro

O Mourinho dos Mourinhos

"Neste país todos querem ser Camões mas ninguém quer ser zarolho", a frase é do Raul Solnado e vem a propósito do despedimento de José Mourinho. Durante os anos de glória todos queriam ser o Mourinho de qualquer coisa, numa busca rápida encontro o "Mourinho da dança", o "Mourinho da política", o "Mourinho da ciência" e até o "Mourinho do curling". Os líderes queriam ter a sua assertividade, os homens a sexyness grisalha e muitas mulheres queriam ter o Mourinho mesmo.