Jovens alegadamente descontentes com demolição tentaram agredir agentes policiais

Um grupo de jovens alegadamente descontentes com a demolição da torre 5 do Bairro do Aleixo, no Porto, tentou hoje agredir agentes policiais com pedras e garrafas.

Em declarações à Lusa, o comandante da Polícia Municipal (PM) do Porto, Leitão da Silva, admitiu que "houve uma situação em que foi necessário usar gás pimenta" para controlar "ânimos mais exaltados dirigidos, sem qualquer razão, contra a polícia".

Contudo, "ninguém ficou ferido", assegurou o comandante da PM do Porto, referindo que alguns dos jovens que protestavam e insultavam os agentes deslocados para o local "nada tinham a ver com a demolição".

Segundo o comandante Leitão da Silva, "houve, de facto, várias pessoas que se emocionaram, o que é normal em situações destas, e houve também quem se aproveitasse dessa fragilidade para incendiar os ânimos".

O responsável da Polícia Municipal do Porto acrescentou que ninguém ficou ferido, assim como ninguém foi detido.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Legalização da canábis, um debate sóbrio 

O debate público em Portugal sobre a legalização da canábis é frequentemente tratado com displicência. Uns arrumam rapidamente o assunto como irrelevante; outros acusam os proponentes de usarem o tema como mera bandeira política. Tais atitudes fazem pouco sentido, por dois motivos. Primeiro, a discussão sobre o enquadramento legal da canábis está hoje em curso em vários pontos do mundo, não faltando bons motivos para tal. Segundo, Portugal tem bons motivos e está em boas condições para fazer esse caminho. Resta saber se há vontade.

Premium

nuno camarneiro

É Natal, é Natal

A criança puxa a mãe pela manga na direcção do corredor dos brinquedos. - Olha, mamã! Anda por aqui, anda! A mãe resiste. - Primeiro vamos ao pão, depois logo se vê... - Mas, oh, mamã! A senhora veste roupas cansadas e sapatos com gelhas e calos, as mãos são de empregada de limpeza ou operária, o rosto é um retrato de tristeza. Olho para o cesto das compras e vejo latas de atum, um quilo de arroz e dois pacotes de leite, tudo de marca branca. A menina deixa-se levar contrariada, os olhos fixados nas cores e nos brilhos que se afastam. - Depois vamos, não vamos, mamã? - Depois logo se vê, filhinha, depois logo se vê...