Incêndio na Conforama em fase de rescaldo

O incêndio que hoje destruiu a loja e armazém da Conforama na Afurada, Vila Nova de Gaia, já está controlado e entrou em fase de rescaldo, disse à agência Lusa o comandante dos Bombeiros Sapadores de Gaia.

Salvador Almeida disse aos jornalistas que a operação de rescaldo deverá prolongar-se por "algum tempo", mantendo-se no local 46 bombeiros e 17 viaturas, de cinco corporações.

"Este trabalho do pós-incêndio, do rescaldo, é muito demorado, porque é muito importante que o façamos com segurança também. Temos homens que já estão a fazer uma tentativa de penetração no edifício, até para o irem dominando e chegar à extinção total", acrescentou o comandante dos Sapadores de Gaia.

Segundo Salvador Almeida, quando os bombeiros chegaram ao local as chamas já estavam a sair pela cobertura, o que indicava que o fogo já lavrava há algum tempo. "Toda esta zona envolvente é habitada, do outro lado da rua existem habitações e um posto de combustível, houve o cuidado de alertar as pessoas, aconselhando-as a afastar-se porque estes fumos são tóxicos, são perigosos e não devem ser respirados", sublinhou.

Salvador Almeida referiu que "o risco para as suas habitações não era grande porque os meios deslocados para o local foram suficientes para combater este incêndio urbano de grandes dimensões, mas há sempre probabilidade e por isso garantimos essa salvaguarda das habitações e do posto de combustível".

Segundo contou aos jornalistas, o proprietário da estação de abastecimento de combustíveis foi aconselhado a não abrir hoje, mantendo no local "um carro e um grupo de bombeiros perfeitamente equipados para defender o posto".

As causas do fogo, que deflagrou cerca das 05:30, ainda não estão apuradas. A loja e armazém de móveis, que vende igualmente eletrodomésticos, têxteis e outros artigos para o lar, empregam 40 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.