Despedido por álcool tem de ser readmitido por empresa

O Tribunal da Relação do Porto obrigou uma empresa de Oliveira de Azeméis a readmitir um funcionário da recolha do lixo despedido a 14 de fevereiro por estar a trabalhar alcoolizado, noticiou o Público.

No acórdão, citado pelo jornal, os juízes afirmam que "o trabalhador pode esquecer as agruras da vida com o álcool e empenhar-se muito mais a lançar frigoríficos sobre camiões".

O tribunal lembrou à Greenday que não tem normas internas sobre o consumo de álcool e aconselhou-a a fixar a taxa de 0,5 g/l de álcool no sangue.

A 14 de fevereiro, o camião em que o funcionárioseguia tombou para o lado direito pouco depois das 18:00.

Ao volante ia um outro funcionário da mesma empresa, ele também alcoolizado. Mas se a taxa de alcoolemia do motorista era de 1,79 gramas, a deste trabalhador, segundo o Público um imigrante de Leste, era de 2,3 g/l de sangue.

A Greenday ainda não terá decidido se recorre da decisão.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.