Câmara lança concurso público para obras em bairros sociais

A Câmara do Porto abriu um concurso público para adjudicar a realização de várias empreitadas nos bairros Agra do Amial, Bom Sucesso, Carvalhido, Outeiro e Regado, pelo preço base de 1,9 milhões de euros.

O anúncio da Domus Social, a empresa municipal de Habitação e Manutenção da autarquia, foi publicado hoje no Diário da República e surge menos de uma semana depois da abertura de outro concurso público, para entregar a privados a requalificação do troço nascente da Avenida da Boavista, por sete milhões de euros.

O concurso público anunciado hoje diz respeito a um "contrato de empreitada de intervenções diversas em bairros" e os trabalhos "visam, genericamente, o reforço estrutural de consolas em bairros habitacionais situados na cidade do Porto", explica-se no DR. No procedimento agora lançado, o contrato de "empreitada de obras públicas" tem como preço base 1,9 milhões de euros.

A Câmara fixa o prazo contratual das obras em "210 dias" e refere que a adjudicação será feita à "proposta economicamente mais vantajosa": o preço da mesma valerá 70 % nos fatores de ponderação do júri do concurso.

O anúncio foi enviado para publicação no DR na segunda-feira, pelo que os interessados têm até agora 24 dias para apresentar propostas. Em menos de uma semana, este é o segundo concurso público lançado pela autarquia para a realização de obras públicas na cidade.

No dia 29 de outubro, o DR dava conta da abertura de um concurso público para requalificação do troco nascente da Avenida da Boavista por sete milhões de euros.

A Câmara do Porto concluiu no fim de 2011 os trabalhos de requalificação do troço poente da Avenida da Boavista, orçada em 800 mil euros.

Na reunião camarária de hoje estará em análise a segunda proposta de alteração ao Orçamento e Grandes Opções do Plano para 2012, na qual a "principal redução líquida" diz respeito às Domus Social e à GOP - empresa municipal de Gestão de Obras Públicas.

Neste "reajustamento das transferências a realizar para as empresas municipais", a Domus Social perde 2,7 milhões de euros e a GOP 3,1 milhões, escreve-se na proposta a que a Lusa teve acesso.

Na alteração ao orçamento de 2012, a Câmara prevê reduzir em 2,2 milhões de euros o investimento em habitação social, devido à dívida de 4,6 milhões do Estado e à despesa com o IMI imposta pelo Governo.

Na proposta, o presidente da autarquia Rui Rio culpa o Instituto de Habitação e Reabilitação Urbana (IHRU) e o Governo pela necessidade de ajustamento orçamental.

O "incumprimento grave e inaceitável" do IHRU colocou "em causa o financiamento do orçamento municipal em 2012 e, por conseguinte, o nível de investimento inicialmente proposto, principalmente em habitação social", avisa Rui Rio.

O autarca explica que o que está em causa é o "acordo de colaboração" celebrado em 2011 com o IHRU, no âmbito do Prohabita, e o "contrato de empréstimo visado pelo Tribunal de Contas em março deste ano".

Rio critica ainda a "imposição pelo Governo a meio da execução orçamental de um encargo de 5 % sobre as receitas do Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), que implicou uma despesa adicional de aproximadamente dois milhões de euros" para a autarquia.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.

Premium

João Gobern

Tirar a nódoa

São poucas as "fugas", poucos os desvios à honestidade intelectual que irritem mais do que a apropriação do alheio em conluio com a apresentação do mesmo com outra "assinatura". É vulgarmente referido como plágio e, em muitos casos, serve para disfarçar a preguiça, para fintar a falta de inspiração (ou "bloqueio", se preferirem), para funcionar como via rápida para um destino em que parece não importar o património alheio. No meio jornalístico, tive a sorte de me deparar com poucos casos dessa prática repulsiva - e alguns deles até apresentavam atenuantes profundas. Mas também tive o azar de me cruzar, por alguns meses, tempo ainda assim demasiado, com um diretor que tinha amealhado créditos ao publicar como sua uma tese universitária, revertido para (longo) artigo de jornal. A tese e a história "passaram", o diretor foi ficando. Até hoje, porque muitos desconhecem essa nódoa e outros preferiram olhar para o lado enquanto o promoviam.