Câmara de Gaia disponível para apoiar reconstrução da Conforama

O presidente da Câmara de Gaia, Eduardo Vítor Rodrigues, afirmou hoje estar disponível para apoiar a reconstrução da loja Conforama, que foi totalmente destruída num incêndio que deflagrou esta madrugada.

Em comunicado, a Câmara de Gaia refere que o presidente irá levar à próxima reunião do executivo uma proposta de "isenção total de qualquer tipo de licenciamento num projeto de reconstrução da Conforama", o que deseja que seja possível de concretizar "o mais rapidamente possível".

A Câmara anuncia também que Eduardo Vítor Rodrigues enviou já uma carta à administração da empresa mostrando preocupação com a destruição do estabelecimento e com "os postos de trabalho que podem ter ficado em causa na sequência do incêndio".

O autarca de Gaia garante ainda que "colocará ao dispor da empresa todos os meios necessários à reedificação da loja e do armazém" destruídos.

A diretora ibérica de marketing da Conforama, Susana António, já disse à Lusa que a "prioridade" desta cadeia de mobiliário é reabrir a loja de Gaia e que não haverá dispensa de trabalhadores.

O incêndio deflagrou cerca das 05:30 e destruiu aquela loja e o armazém de móveis, por causas ainda desconhecidas.

Quando os bombeiros chegaram ao local, as chamas já estavam a sair pela cobertura, o que indicava que o fogo já lavrava há algum tempo, afirmou à Lusa o comandante dos Sapadores de Gaia, Salvador Almeida.

A combater as chamas estiveram 46 bombeiros apoiados por 17 viaturas.

A loja e o armazém de móveis, que vende igualmente eletrodomésticos, têxteis e outros artigos para o lar, empregam 40 pessoas.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Anselmo Crespo

No PSD não há inocentes

Há coisas na vida que custam a ultrapassar. A morte de alguém que nos é querido. Uma separação que nos parece contranatura. Ou uma adição que nos atirou ao charco e da qual demoramos a recuperar. Ao PSD parece terem acontecido as três coisas em simultâneo: a morte - prematura para os sociais democratas - de um governo, imposta pela esquerda; a separação forçada de Pedro Passos Coelho; e uma adição pelo poder que dá a pior das ressacas em política.