GEOTA envia queixa para Comissão Europeia sobre barragem "danosa"

O GEOTA enviou hoje para a Comissão Europeia uma queixa sobra a barragem de Foz Tua, considerando-a uma das "mais danosas" e defendendo que a sua construção deve "cessar imediatamente".

"Verifica-se que a barragem de Foz Tua é uma das mais danosas nos domínio social, cultural, ecológico e económico, de entre as previstas no Plano Nacional de Barragens de Elevado Potencial Hidroelétrico (PNBEPH) - para além de infringir flagrantemente a legislação comunitária, a causa próxima desta queixa", salienta o GEOTA em comunicado hoje divulgado.

O Grupo de Estudos de Ordenamento do Território e Ambiente (GEOTA) refere que, em colaboração com outras organizações não governamentais, enviou uma queixa para a Comissão Europeia relativamente à barragem de Foz Tua, estando em causas as "infrações do empreendimento à Diretiva Habitats, à Diretiva-Quadro da Água e à Diretiva da Avaliação de Impactes Ambientais".

No dia em que ocorreu mais um acidente na barragem, que provocou cinco feridos, o GEOTA destaca que a mesma "é um erro e toda a construção deve cessar imediatamente".

"O resto do plano de barragens está parado por força da crise económica; é agora imperativo salvar enquanto é tempo o Vale do Tua, uma das joias da coroa do património e da identidade nacional", remata.

Cinco trabalhadores foram hoje atingidos por uma projeção de fragmentos de rocha na execução do desvio provisório de uma estrada, divulgou a EDP.

A EDP explica ainda que o acidente ocorreu "ao início da tarde, cerca das 14:45, na execução do desvio provisório da Estrada Nacional 212", na margem direita do rio Tua.

O acidente de hoje é o segundo em menos de 15 dias, depois de a 26 de janeiro três trabalhadores terem morrido soterrados na derrocada de uma formação rochosa que se encontra ainda em investigação, nomeadamente num inquérito conduzido pela Autoridade para as Condições do Trabalho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG