Gaiahotel sem clientes desde sexta-feira

Trabalhadores do Gaiahotel garantiram hoje que aquela unidade hoteleira de Vila Nova de Gaia já se encontra sem clientes desde sexta-feira, quando a administração solicitou aos hóspedes que a abandonassem, alegadamente devido a uma fuga de gás.

De acordo com trabalhadores que hoje estão concentrados à porta do Gaiahotel, os últimos seis clientes abandonaram o hotel a pedido da administração, já na sexta-feira, alegadamente devido a uma fuga de gás.

Um grupo de trabalhadores está desde as 8.00 concentrado à porta da unidade hoteleira, que tem quatro estrelas e 92 quartos, por ter tido conhecimento que o administrador de insolvência irá hoje encerrar as portas do Gaiahotel.

Depois de reunirem com a direção do Sindicato dos Trabalhadores da Indústria Hoteleira, os trabalhadores decidiram apresentar, hoje de manhã, ao administrador de insolvência uma proposta que passa por "manter o hotel aberto". Francisco Figueiredo, do sindicato, afirmou aos jornalistas que "encerrar o hotel é mau para toda a gente, até para os credores".

Se o administrador de insolvência insistir no encerramento, disse, "os trabalhadores provavelmente o que vão decidir é suspender os contratos de trabalho até à realização da assembleia de credores, prevista para abril".

"O hotel ainda é viável", frisou o sindicalista que, contudo, não soube precisar o montante da dívida acumulada. O sindicalista justificou desconhecer o valor da dívida por não ter tido ainda acesso à sentença do tribunal que decidiu a insolvência.

"Em rigor, só daqui a um mês é que podemos saber o real valor das dívidas", no âmbito da realização da assembleia de credores, precisou. O encerramento do hotel põe em causa 33 postos de trabalho.

Em declarações à Lusa, Francisco Figueiredo afirmou no domingo que o Gaiahotel deverá hoje fechar portas, uma vez que o administrador de insolvência daquela unidade hoteleira de Vila Nova de Gaia entende que "não há condições para continuar a laborar", por inexistência de "dinheiro para pagar dívidas referentes a água, luz e gás".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG