Condenados a 7 e 13 anos por sequestro e 'carjacking'

O Tribunal de Oliveira de Azeméis condenou hoje a sete e a 13 anos de prisão dois homens, de 31 e 40 anos, suspeitos de terem praticado vários crimes de sequestro e roubo, pelo método de 'carjacking'.

A pena mais gravosa, de 13 anos de prisão efetiva, em cúmulo jurídico, foi aplicada ao arguido mais velho, que foi condenado por cinco crimes de roubo, dois de furto, um de falsificação de documento e um de burla informática.

O seu cúmplice acabou condenado a uma pena única de sete anos de prisão, em cúmulo jurídico, pela prática de quatro crimes de roubo, um de falsificação de documento, um de burla informática, um de sequestro e um de detenção de arma proibida.

Os dois arguidos, que se encontram em prisão preventiva, terão ainda de pagar uma indemnização de 430 euros a um dos lesados, por danos patrimoniais.

Durante a leitura do acórdão, a juíza-presidente realçou que o 'carjacking' é um tipo de crime "socialmente muito reprovado, pela sua prática muito frequente", o que justifica as "elevadas" exigências de prevenção geral.

A magistrada determinou ainda a manutenção da medida de coação de prisão preventiva para ambos os arguidos, até a decisão condenatória transitar em julgado.

Durante o julgamento, os suspeitos não prestaram declarações sobre os factos descritos na acusação, quebrando o silêncio apenas para dizerem que estavam dispostos a deixar o consumo de drogas.

Nas alegações finais, o procurador do Ministério Público (MP) havia pedido uma pena de 10 e 15 anos de prisão para a dupla de assaltantes.

Segundo a acusação, os suspeitos terão estado envolvidos em oito assaltos, o primeiro dos quais terá ocorrido no Parque de La Salette, em Oliveira de Azeméis, em abril do ano passado.

Os restantes casos ocorreram em Santa Maria da Feira, Braga e Vila Nova de Gaia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG