Comissão protesta contra cobrança nas SCUT no interior da Loja do Cidadão de Viseu

A comissão contra as portagens nas autoestradas A23, A24 e A25, realizou hoje um protesto no interior da Loja do Cidadão, em Viseu , onde colocou uma faixa a apelar à luta.

Esta faixa com apelo à luta e ao protesto contra a introdução de portagens nestes itinerários foi colocada junto ao guichet onde são vendidos os "chips" que permitem passar nos futuros pórticos de cobrança das taxas, que o governo já tornou público que vão ser activados durante o mês de Outubro. Este protesto surgiu a meio de uma acção de recolha de assinaturas para enviar ao primeiro-ministro no sentido de sensibilizar Pedro Passos Coelho para os prejuízos que as populações e as empresas do interior do país vão ter.

Na mira da comissão está igualmente a ausência de alternativas a estas SCUT, atualmente sem custo para o utilizador, que vão passar a autoestradas com cobrança imediata, "obrigando milhares de camiões pesados a usar as alternativas, que vão criar o caos". O protesto no interior da Loja do Cidadão só terminou cerca de 45 minutos depois de iniciado e após um oficial da PSP, à civil, acompanhado de dois agentes de uniforme, ter estado no local a falar com os elementos da comissão. Mas nas imediações da Loja do Cidadão estava uma viatura da PSP, com cerca de uma dezena de elementos no seu interior, que não chegou a deslocar-se ao local.

Tal como na semana passada, no Rossio de Viseu, a comissão contra as portagens recolheu centenas de assinaturas. Para o futuro, além do calendário já conhecido, com a deslocação entre Viseu e Aveiro pela EN 16, onde a comissão vai levar um autocarro e um ou mais camiões pesados, para, segundo Francisco Almeida, "provar que o governo não mediu bem as consequências da decisão ao ignorar que estas autoestradas não têm alternativas minimamente aceitáveis". Com o anúncio do ministro da Economia de que os pórticos vão ser accionados em todas as SCUT do país ainda este mês, a comissão contra as portagens, como sublinhou Francisco Almeida, vai "intensificar os protestos", adicionando à primeira versão do calendário da luta, manifestações "sempre que um membro do governo que esteja ligado a este processo - primeiro ministro, ministro da Economia ou das Finanças - visitar oficialmente estas regiões".

Os buzinões, marchas-lentas e novas recolhas de assinaturas seguem-se nos próximos dias. Já na sexta-feira, decorre a viagem entre Viseu e Aveiro pela EN 16, com veículos pesados, sendo as localidades e outros pontos críticos, devido à estreiteza da via, "onde não ficarão dúvidas", segundo os organizadores, de que a A25 (entre Aveiro e Vilar Formoso) "é a única transitável" para as viaturas de maior porte.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG