Associação de Bares ameaça desligar câmaras de vigilância

A associação ameaça desligar as câmaras em Janeiro caso a Comissão de Protecção de Dados não renove a autorização das gravações.

A Associação de Bares do Porto ameaça desligar as câmaras de vigilância da Ribeira em Janeiro caso a Comissão de Protecção de Dados não renove a autorização das gravações, mas aquele organismo diz estar a aguardar uma resposta do ministério.

"Se até ao fim do mês não tivermos informação, da parte da Comissão de Dados, da continuidade do projecto, a associação não vai continuar com o projecto a partir de janeiro", disse hoje à Lusa António Fonseca, presidente da Associação de Bares da Zona Histórica (ABZH) do Porto.

O responsável ameaça "desligar as câmaras e entregar os equipamentos" porque a videovigilância da Ribeira custa à ABZH "três mil e tal euros por mês" e, sem o parecer da Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD), é ilegal. "O equipamento custa o mesmo, estando legal ou ilegal. O importante são as gravações. Se estiverem ilegais nenhum juiz a aceita como prova", observa António Fonseca.

No entanto, Isabel Cruz, secretária geral da CNPD, disse hoje à Lusa que aquele organismo continua à espera dos dados pedidos ao Ministério da Administração Interna (MAI) para avaliar a eficácia do sistema.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG