Bloco de Esquerda questiona MEE sobre falta de segurança nas obras

O Bloco de Esquerda questionou hoje o Ministério da Economia e Emprego sobre a falta de segurança nas obras da EDP na barragem do Tua e pede esclarecimentos sobre mais um acidente.

Assinado pelas deputadas Mariana Aiveca e Catarina Martins, o documento hoje dirigido à Presidente da Assembleia da República questiona se a "ACT (Autoridade para as Condições do Trabalho) já realizou alguma vistoria às condições de trabalho nas obras da barragem de Foz Tua".

Pergunta ainda se o Ministério da Economia considera que "as obras devem ser interrompidas até que se termine o inquérito, como forma de garantir que todos os procedimentos de segurança estão a ser cumpridos".

O Bloco começa por lembrar que "no dia 26 de janeiro um deslizamento de terras nas obras da barragem soterrou três trabalhadores provocando a sua morte", após "o Secretário de Estado do Ambiente garantiu que o Governo" tudo faria para que não voltasse "a acontecer um acidente deste tipo".

"No entanto, apenas 14 dias depois do primeiro acidente, existem mais vítimas a lamentar", destaca hoje o Bloco de Esquerda para quem "é ainda necessário saber se o Governo considera relevante para as averiguações o alegado vídeo das obras na barragem do Tua, que dá conta de deslizamentos de terras a ocorrer uma semana antes da morte dos três operários".

O partido quer ainda ver esclarecido como "irá o Governo atuar de forma a assegurar que as medidas adequadas são tomadas e que não se repetirão acidentes com vítimas a lamentar naquela obra".

O acidente de hoje nas obras da barragem de Foz Tua provocou cinco feridos, um grave e quatro ligeiros.

Os trabalhadores foram atingidos por uma projeção de fragmentos de rocha na execução do desvio provisório de uma estrada, divulgou a EDP.

A EDP explica ainda que o acidente ocorreu "ao início da tarde, cerca das 14:45, na execução do desvio provisório da Estrada Nacional 212", na margem direita do rio Tua.

"Na sequência de um desmonte de rocha efetuado nessa mesma margem direita, verificou-se a projeção de fragmentos de rocha que atingiram quatro trabalhadores que se encontravam a montar cofragens na boca de saída do túnel de derivação provisória do rio, na margem esquerda", refere em comunicado.

O acidente de hoje é o segundo em menos de 15 dias, depois de a 26 de janeiro três trabalhadores terem morrido soterrados na derrocada de uma formação rochosa que se encontra ainda em investigação, nomeadamente num inquérito conduzido pela Autoridade para as Condições do Trabalho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG