"Não virou a cara quando lhe dei um beijo"

(Com vídeo) João e Íris conheceram-se em 2004 quando festejavam o Santo António. Pedido de casamento foi em novembro do ano passado.

João Rendeiro, 27 anos, não sabe dizer ao certo a data em que começou a namorar com Íris Bidarra, mas não esquece que, um dia, tinham combinado encontrar-se no Parque das Nações e, quando chegou, deu-lhe um beijo na boca e não na bochecha. "Ela não virou a cara. Estava a correr bem", recorda o operador de redes. Para trás tinha ficado um mês - "se calhar não tanto"- em que talvez já estivessem juntos sem saberem.

Os jovens conheceram-se a 12 de junho de 2004, quando festejavam com um grupo de amigos o Santo António. Íris foi a única desconhecida com quem João conseguiu falar sobre qualquer tema. "Mesmo quando ela não estava muito à vontade no assunto", diz.

A data em que se viram pela primeira vez é uma das razões para terem decidido unir-se sob a bênção do santo casamenteiro, mas não é a única. "A minha mãe faz anos a 13 de junho", avança a educadora de 28 anos. O noivo acrescenta que, se não fosse esta oportunidade, não teriam capacidade financeira para se casar e festejar a ocasião.

Íris acredita que vai ser um "dia de princesa", enquanto João espera sobretudo "não estar muito nervoso" num evento que nunca irá esquecer. O desejo promete ser um desafio, a avaliar pelo momento em que, no dia 17 de novembro, pediu a lisboeta em casamento.

"Só a mão é que não estava a tremer, para o anel não cair", conta o noivo. A jovem ficou surpreendida quando o viu "de joelhinho no chão", mas não hesitou na resposta. A decisão de darem o nó na quinta-feira foi tomada em janeiro, durante uma feira nupcial.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.