Não fecham mais privados: pais e colégios pagam aulas a 3600 alunos

Depois de meses de contestação as aulas vão começar e o corte no financiamento dos contratos de associação ditado pelo governo fechou apenas dois colégios. Há cerca de 50 professores e assistentes operacionais em lay-off

"Há 70 turmas (1600 alunos) em que o custo de funcionamento foi assumido pelos pais e 87 (cerca de 2000 alunos) cujo financiamento será assegurado pelos estabelecimentos de ensino, na expectativa de ter decisões judiciais em tempo útil [relativas a ações para evitar o fecho de turmas nos colégios privados decidido pelo governo]", disse ao DN Rodrigo Queiroz e Melo, diretor executivo da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Cooperativo (AEEP). Na véspera do início das aulas a associação continua a criticar a decisão do executivo de cortar o financiamento a contratos de início de ciclo em alguns colégios privados, mas assegura que o ano letivo irá iniciar-se normalmente.

"O que os pais sentem é que a vida se alterou de forma inesperada. Há muitas crianças em meios pequenos que tinham o seu enquadramento pedagógico perfeitamente estável, os seus amigos na escola, e se viram forçados a uma realidade que em nada contribui para a sua estabilidade emocional." Luís Marinho, representante dos pais e encarregados de Educação no Movimento Defesa da Escola Ponto, confirmou ao DN os dados que apontam para "um grande esforço entre famílias, direção das escolas, e nalguns casos até o corpo docente, para assegurar os custos de várias turmas".

Os dados fazem parte de um inquérito que a AEEP fez junto de todas as escolas com contratos de associação, e que "revela um cenário de destruição de emprego", acrescenta uma nota enviada ao DN dois dias antes do início das aulas. "Recorde-se que estes contratos [de associação], celebrados na sequência de um concurso público, de boa-fé e nos termos da lei, e visados pelo Tribunal de Contas, eram válidos para turmas de início de ciclo por três anos letivos (2015/16 a 2017/18)", acrescenta a AEEP, que encara as respostas recebidas como preocupantes, além de revelarem "um cenário de destruição de emprego muito significativo, com a consequente perda de valor económico, educativo, pedagógico e social", conclui.

313 professores perderam já o emprego e até ao final do ano letivo esse número subirá para 814, segundo a AEEP

De acordo com o resultado do inquérito, 313 professores perderam já o seu emprego, e até ao final do ano letivo esse número subirá para 814, "se não houver reversão da medida do governo". Entre o pessoal não docente contabilizam-se 167 trabalhadores, número que chegará aos 525 em junho do próximo ano. O inquérito destaca ainda dez mil alunos que "foram obrigados a interromper o seu percurso na escola que escolheram (na mudança de ciclo)", e conclui que "o total de indemnizações a pagar a docentes e não docentes (inclui docentes que já perderam o seu emprego e estimativa tendo por base os que perderão o seu emprego no final do ano letivo) ascende a 45,3 milhões euros".

Uma questão ideológica

Tal como o DN noticiou na semana passada, há várias escolas que acabaram por reduzir horários e salários, em função da diminuição do número de turmas financiadas. Manuel Bento, diretor do Centro de Estudos de Fátima (onde não há oferta pública) e porta-voz do Movimento em Defesa da Escola Ponto, garantiu ao DN que haverá "cerca de 50 professores em regime de lay-off "por todo o país. "O Ministério da Educação devia assumir que o que está a fazer é ideológico, em vez de usar o argumento da poupança", afirma Bento, para quem a justificação da poupança não colhe: "Primeiro era para custear os livros, depois era para acabar com o amianto, agora é para contratar assistentes operacionais. Penso que já começa a ser um pouco demagógico. Vai-se gastar muito mais em cantinas e transportes escolares, sem falar no número de professores e assistentes operacionais que vão para o desemprego, e com quem o Estado vai gastar muito dinheiro."

Ao todo, acabaram por fechar apenas dois colégios, tal como o DN tinha noticiado, como consequência da medida governativa: o Colégio Ancorensis, em Caminha, e o Instituto de S. Tiago, no concelho de Proença-a-Nova. Mas Manuel Bento teme que "muitas das escolas que vão arriscar abrir as turmas que não foram validadas acabem por não se aguentar durante todo o ano letivo". E por isso mesmo acredita que "a tutela tem de voltar a falar connosco".

Ao DN, fonte do gabinete do ministro da Educação garantiu não estar "agendada ou solicitada" qualquer reunião entre o ME e os privados. E apesar de o movimento falar ainda em "dez turmas que estão para validar, por questões meramente administrativas", a mesma fonte adianta que "o processo de validação ficou concluído antes do início do ano letivo. As turmas que não foram validadas não o foram por não cumprirem o disposto no despacho das matrículas". Entretanto, decorreu há poucos dias em Cernache uma reunião entre os advogados de vários colégios, que neste momento preparam uma ação conjunta contra o Estado. Dos 39 afetados, pelo menos 20 juntaram-se com esse propósito.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Adelino Amaro da Costa e a moderação

Nunca me vi como especial cultor da moderação em política, talvez porque tivesse crescido para ela em tempos de moderação, uma espécie de dado adquirido que não distingue ninguém. Cheguei mesmo a ser acusado do contrário, pela forma enfática como fui dando conta das minhas ideias, tantas vezes mais liberais do que a norma, ou ainda pelo meu especial gosto em contextualizar a minha ação política e governativa numa luta pela liberdade.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.