Morreu GNR que foi atropelado em operação Stop

Associação Nacional Autónoma de Guardas lamentou, nas redes sociais, a morte do agente

O militar da GNR que foi atropelado no Pinhal Novo, concelho de Palmela, durante uma Operação Stop na EN 252, morreu esta segunda-feira.

Lino Calado, de 43 anos, foi atropelado na quinta-feira, 14 de dezembro, tendo as autoridades referido imediatamente que tinha ficado em "estado grave".

Segundo o tenente-coronel João Nortadas, o militar - atropelado na quinta-feira passada junto ao nó de acesso da Estrada Nacional 252 à Autoestrada 12, no distrito de Setúbal - sofreu ferimentos graves e foi transportado para uma unidade hospitalar.

"O condutor envolvido no atropelamento permaneceu no local e foi submetido ao teste de alcoolemia, mas não acusou nada", acrescentou o responsável da GNR em declarações à Lusa, escusando-se a adiantar mais pormenores, por o caso estar sob investigação.

Esta manhã, no Facebook, a Associação Nacional Autónoma de Guardas lamentou a morte de Lino Calado, destacando o seu "excelente desempenho e dedicação ao serviço da Guarda Nacional Republicana".

Segundo João Nortadas, cabe agora à investigação apurar as circunstâncias que estiveram na origem do acidente, bem como as razões pelas quais o condutor não se terá apercebido a tempo da presença do militar da GNR.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.