Morreu Castro e Brito, o "senhor Ovibeja"

Manuel Castro e Brito morreu hoje de madrugada, em casa, na aldeia de Baleizão, no concelho de Beja, vítima de doença súbita

Manuel Castro e Brito, o organizador da Ovibeja, morreu esta madrugada vítima de uma insuficiência cardíaca. Tinha 65 anos e uma vida dedicada à agricultura, setor onde começou a trabalhar em 1974. Viria a afirmar-se como uma das vozes mais reivindicativas do Baixo Alentejo na defesa do mundo rural.

Presidente da Associação de Criadores de Ovinos do Sul e da Comissão Organizadora da Ovibeja desde 1989, Castro e Brito, haveria de idealizar o grande certame agropecuário do Sul do país para juntar "Todo o Alentejo deste Mundo", um lema sublinhado ao longo de 32 edições para a feira que - como gostava de dizer - nascia na terra e se mostrava na cidade. O certame rapidamente atingiu "calibragem nacional" passando a ser ponto de passagem obrigatória para os vários líderes políticos, sobretudo nas últimas duas décadas. Da direita à esquerda. Próximo ou distante de atos eleitorais.

Castro e Brito residia em Baleizão (concelho de Beja) era ainda dirigente da Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo, tendo sido distinguido em 2005 como comendador com grau de mérito Agrícola pelo então Presidente da República Jorge Sampaio.

O secretário-geral da Confederação dos Agricultores de Portugal, Luís Mira, não hesita em afirmar que "agricultura no Baixo Alentejo está de luto", justificando que "acabou de perder o seu líder dos últimos 20 anos". Acrescenta ainda Luís Mira que, por ter sido um dos grandes empreendedores da Ovibeja, a morte de Castro e Brito traduz "uma grande perda para o mundo associativo", recordando a "voz reivindicativa" do Baixo Alentejo na defesa da região, justificando que "os líderes têm precisamente essa característica".

Castro e Brito sentiu-se mal cerca da 01.00 horas, tendo os bombeiros recebido o alerta, mas o "senhor Ovibeja" acabaria por morrer em casa por volta das 03.30 horas.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.