Morreu antigo deputado do PSD Cristóvão Guerreiro Norte

O antigo deputado e presidente da concelhia do PSD/Faro Cristóvão Guerreiro Norte, advogado, morreu na segunda-feira, aos 78 anos, informou hoje o partido.

Em comunicado, o PSD/Faro descreve o antigo deputado, pai do atual parlamentar do PSD Cristóvão Norte, como uma "figura mítica da democracia em Faro e no Algarve no período pós 25 de Abril", um homem "destemido" e um social-democrata "convicto", conhecido pela sua "fortaleza de espírito" e "determinação".

Natural de Almancil, filho de uma família pobre, Cristóvão Guerreiro Norte ajudou no campo ainda em criança, depois da morte do seu pai e parou de estudar após a 4ª classe, tendo mais tarde retomado os estudos, formando-se em Direito pela Universidade de Coimbra e tendo sido delegado do Procurador-Geral da República e conservador do Registo em diversas comarcas algarvias.

Segundo o PSD/Faro, foi também o "fundador do PSD no Algarve e seu cabeça de lista e único eleito do PPD pelo círculo de Faro nas eleições à Assembleia Constituinte, em 1975, as primeiras eleições livres".

Desempenhou as funções de Deputado à Assembleia da República entre 1975 e 1991, ininterruptamente, período durante o qual apresentou inúmeros projetos de lei, entre eles, em coautoria com José Vitorino, o da criação da Universidade do Algarve, "a maior e mais importante conquista da região nos últimos 40 anos.

Foi deputado municipal em Faro e presidente do PSD/Faro durante 21 anos, e vereador da autarquia farense entre 1997 e 2001.

Foi também escritor, tendo publicado a Monografia de Almancil, bem como diretor de uma publicação regional.

Recebeu, em 2015, a distinção de Deputado Honorário da Assembleia da República.

O PSD/Faro decretou um período de luto de três dias, durante os quais interromperá a sua atividade política.

A data e o local das cerimónias fúnebres ainda não são conhecidos.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.