Ministro da Saúde vai investigar aumento da mortalidade

Paulo Macedo afirmou hoje que os dados revelados pelo Instituto Ricardo Jorge, sobre o aumento da mortalidade em Portugal nas últimas semanas, vão ser alvo de uma análise.

"São dados revelados pelo Instituto Ricardo Jorge, que faz monotorização apertada destes casos de mortalidade. Há um aumento em termos homólogos e o instituto está a descer mais fundo na monotorização para sabermos as causas, se é do frio anormal ou de outro tipo de situações", disse aos jornalistas, à margem da inauguração da Nova Unidade de Saúde Familiar no Barreiro.

O ministro da Saúde referiu que o importante é que a situação foi detetada, está a ser acompanhada e que vai ser alvo de uma análise, para que se descubram os motivos que originaram um pico anormal de mortalidade nas últimas semanas em Portugal.

Paulo Macedo aproveitou para explicar que a Lei dos Compromissos também vai ser aplicada na saúde, mas referiu que existem questões que têm que ser vistas de forma separada.

"As dívidas já existentes, de cerca de 3 mil milhões de euros, não podem ser pagas pelos hospitais em simultâneo com as despesas correntes, havendo apenas proveitos correntes. Seria impossível qualquer administração hospitalar, com as transferências que tem do Orçamento de Estado anualmente, fazer face às despesas correntes e aos três mil milhões de divida", esclareceu.

"Têm que ser vistas de forma separada. A Lei dos Compromissos aplica-se, a saúde não é exceção, a tudo o que são receitas e despesas", acrescentou.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG