Ministro afasta hipótese de Loures receber mais utentes

O ministro da Saúde afirmou hoje que o Hospital de Loures não tem capacidade para acolher mais utentes, nomeadamente os cerca de 100 mil que reclamam ser servidos por esta unidade de saúde.

Paulo Macedo falava aos jornalistas à margem da cerimónia do Hospital Beatriz Ângelo, em Loures, e após ser questionado sobre as pretensões da populares que pretendem pertencer a este novo hospital de Loures.

"Este hospital foi planeado para as freguesias que hoje serve e a capacidade para servir mais freguesias nem sequer se pode discutir", afirmou Paulo Macedo.

O ministro disse, contudo, que se no âmbito de uma reorganização se otimizarem recursos, a resposta à população poderá vir a aumentada.

Antes da cerimónia, um grupo de populares concentrou-se num dos acessos da unidade de saúde, reclamando o seu atendimento pelo novo hospital, mas também outras melhorias em matéria de saúde.

"Taxas moderadoras impedem o acesso aos serviços de saúde" e "quanto mais calados mais enganados" foram algumas das frases que os populares ostentavam em cartazes.

Carlos Machado, da comissão dos utentes de Santa Maria de Azoia, disse à Lusa que o grande objetivo é toda a população de Loures ser atendida pela nova unidade.

Consciente das dificuldades, Carlos Machado disse que uma das medidas para ajudar as populações que não são servidas pelo novo hospital seria o seu atendimento no Hospital de Santa Maria e não no de São José, para onde foram transferidos após o encerramento das urgências no Hospital Curry Cabral.

"Já que 100 mil pessoas não podem, de um dia para o outro, serem transferidas para o novo hospital, ao menos que tenham um melhor atendimento num sítio mais central, como o Santa Maria, já que chegar ao São José nem sempre é fácil", disse.

O presidente da Câmara Municipal de Loures prometeu, durante a sua intervenção, perseguir o sonho dos populares de serem servidos pelo novo hospital, cuja construção, admitiu, foi um sonho.

"Enquanto este hospital estiver vedado a 100 mil pessoas de sete freguesias, essa será uma das principais batalhas da minha luta pela população de Loures", disse Carlos Teixeira.

A inauguração deste hospital, que resulta de uma Parceria Público-Privada (PPP) entre o Estado português e a Sociedade Gestora do Hospital de Loures e a Sociedade Gestora do Edifício, contou com a presença de quatro ministros: Maria de Belém Roseira, Correia de Campos, Ana Jorge e Paulo Macedo.

Para Isabel Vaz, administradora da unidade de saúde, este é "um dia especial para a população de Loures".

Dados desta unidade de saúde da rede pública do Serviço Nacional de Saúde (SNS) indicam que as urgências receberam 5.463 pessoas -- numa média diária de 450 doentes.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG