Ministra garante: falhas no fornecimento não impedem matrículas

A ministra da Saúde admitiu e lamentou hoje a falha no fornecimento da vacina contra o tétano, tendo garantido que esta anomalia não impede a matrícula nas escolas, pois os serviços fornecem ao aluno um documento a justificar a falta.

Ana Jorge respondia, desta forma, a uma interpelação do deputado comunista Bernardino Soares, que se manifestou preocupado com a falta desta vacina em alguns centros de saúde, exigida aquando da matrícula nas escolas.

Durante a sua última ida à Comissão Parlamentar de Saúde, nesta legislatura, como ministra da Saúde, Ana Jorge reconheceu esta falta, lembrando que a mesma se deveu a um problema de ruptura de stocks, da responsabilidade do laboratório fornecedor.

Ana Jorge disse, no entanto, que teve garantias de que a situação já estava normalizada, tendo recebido, por isso, com surpresa, a informação de Bernardino Soares de que ainda existem centros de saúde sem vacinas.

"Vou tratar deste assunto pessoalmente e saber o que se passa, pois a garantia que tenho é que o fornecimento foi restabelecido", disse Ana Jorge.

A ministra lamentou o incómodo destas dificuldades no fornecimento da vacina, mas adiantou que todos os alunos a quem lhes seja exigida a vacina contra o tétano para se matricularem na escola não poderão ser impedidos, pois o centro de saúde pode passar uma declaração a justificar a ausência.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG