Militares hospitalizados registam melhorias

Dois militares do curso de Comandos permanecem internados no Hospital das Forças Armadas, informou hoje o porta-voz do Exército, Vicente Pereira.

"Um militar encontra-se na Unidade de Tratamentos Intensivos numa situação estável com indicadores de melhoria, apesar de lenta. O outro militar, foi transferido para o Serviço de Medicina, ontem dia 11 de setembro, com franca melhoria analítica", adianta o Exército.

Entretanto, morreu sábado Dylan Araújo da Silva, militar dos Comandos que estava internado em estado muito grave, com complicações hepáticas, no Hospital Curry Cabral, em Lisboa, desde o dia 06 de setembro.

Esta foi a segunda morte de um militar na sequência do treino do 127.º Curso de Comandos na região de Alcochete, no distrito de Setúbal, que decorreu no domingo passado (04 de setembro). No dia do treino, o militar Hugo Abreu morreu e vários outros receberam assistência hospitalar.

O caso já desencadeou investigações, instauradas quer pelo chefe do Estado-Maior do Exército, quer pela Procuradoria-Geral da República e levou à suspensão dos cursos de Comandos do Exército.

Questionado sobre as investigações em curso, o ministro da Defesa, Azeredo Lopes, disse hoje que não irá fazer antecipações sobre eventuais conclusões quando ainda há trabalhos a decorrer.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

O bom trabalho do José Mário Branco 

Foram três serões de espanto. Assisti à gravação do disco Sempre, de Katia Guerreiro, que foi produzido por José Mário Branco com a consultadoria da mulher, Manuela de Freitas. Foi há cerca de um ano. Assisti a tudo e o objetivo era descrevê-lo numa reportagem que havia de fazer capa de uma das novas edições do Diário de Notícias, nessa altura em preparação, em maio de 2018. Mas, na verdade, aquilo que tive foi uma experiência de vida, daquelas que constituem marcos de existência.

Premium

Marisa Matias

Baralhar e dar de novo

Na próxima semana irá finalmente a votos a Comissão Von der Leyen. Depois de propostas de nomes rejeitadas, depois de várias controvérsias associadas aos novos portfólios apresentados pela presidente eleita, finalizou-se o processo sem, contudo, eliminar a ameaça de conflitos de interesses ou mudar significativamente os portfólios. Nas contas finais, parece que tudo não passou de um jogo de equilíbrios partidários, muito longe dos interesses dos cidadãos.