Milhares de funcionários públicos protestam contra políticas do Governo

Alguns milhares de trabalhadores da Administração Pública estão hoje a desfilar rumo à Assembleia da República, em Lisboa, em protesto contra as políticas aplicadas ao setor e a exigir a demissão do Governo.

No dia em que a maioria aprovou, na generalidade, a proposta do Orçamento do Estado para 2015 (OE2015), os funcionários públicos saíram à rua para contestar a manutenção dos cortes salariais, o aumento do horário de trabalho e a privatização de serviços do Estado.

"Passos ladrão, 35 horas sim, 40 horas não", "Não e não ao roubo nos salários" e "Só a demissão é solução" são algumas das palavras de ordem entoadas pelos manifestantes para ilustrar os motivos desta ação de luta, convocada pela Frente Comum dos Sindicatos da Administração Pública, filiada na CGTP.

À cabeça da manifestação seguem a coordenadora da Frente Comum, Ana Avoila, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (FENPROF), Mário Nogueira, e o secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos.

Em declarações à agência Lusa, Ana Avoila afirmou que "a significativa adesão ao protesto está a corresponder às expetativas" e levou ao encerramento de "muitas dezenas de escolas e de serviços de cultura".

Entre as bandeiras sindicais, que dão alguma cor ao desfile, destacam-se algumas negras em sinal de luto pelos serviços públicos.

A coordenadora da Frente Comum disse ainda que a manifestação tem como objetivo responder às medidas de austeridade aplicadas pelo Governo ao longo da legislatura, repudiar a sua política e exigir a sua demissão.

A manifestação nacional da função pública, que partiu do Marquês de Pombal pelas 15:30 rumo à Assembleia da República, conta com a participação de trabalhadores da administração local e central de todo o país.

A Frente Comum emitiu o habitual pré-aviso de greve para dar cobertura legal aos trabalhadores que se deslocaram a Lisboa para participarem no protesto.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG