Metade das pessoas com hipertensão desconhece problema

Apenas metade das pessoas que sofrem de hipertensão sabem que sofrem deste problema. Este é um dos fatores de risco com maior peso no aparecimentos de doenças cardiovasculares. A conclusão é apresentada esta tarde no XXXIII Congresso de Cardiologia e faz parte dos dados recolhidos através do Estudo VIVA.

"Apenas 17,3% dos inquiridos referem ter tensão arterial elevada. Quando vamos ver a prevalencia real é de 30,6% na população portuguesa. Apenas metade das pessoas sabe ser hipertensa", salienta Cândida Fonseca, cardiologista do Hospital S. Francisco Xavier e responsável pela apresentação destes dados recolhidos junto de uma amostra de dez mil pessoas. São mais os homens e as pessoas entre os 18 e os 45 anos que desconhecem ter a doença.

De acordo com a especialista, a prevalência da hipertensão aumenta com a idade, mas ao contrário do que se podia imaginar isso é logo evidente a partir dos 35 anos. Também as diferenças entre as regiões e evidente. "A hipertensão é mais prevalente na região de Lisboa e Vale do Tejo (36,1%) e Alentejo (31,9%). Os valores baixam quando olhamos para o Norte (25,3%). Os valores são igualmente mais altos nas pessoas com excesso de peso e obesidade e nas que não praticam exercício fisico", refere.

Quando questionados sobre quais os principais riscos para as doenças cardiovasculares - enfarte e AVC -, a tensão arterial alta surge em terceiro lugar, quando na realidade é o principal risco. "Isto mostra que há um conhecimento deficiente da importância dos factores de risco. A evidência revela que 50% das doenças cardiovasculares em pessoas com mais de 30 anos se devem à tensão arterial elevada, 33% ao colesterol alto e 16% ao consumo de tabaco.

No conjunto estes três fatores de risco explicam 65% de todas as doenças cardiovasculares nesta faixa etária".

Também a pre-hipertensão arterial, que corresponde a valores entre 120-80 e 140-90, tem uma prevalência elevada. "Sabemos que este é um grupo que evoluir mais frequentemente para hipertensão arterial, com todos os riscos associados, tem uma prevalência muito elevada em Portugal, rondando os 40%".

Dos que tem hipertensão, apenas 55,1% estão a fazer medicação com hipertensores. E destes apenas 47,6% têm os valores normalizados. "Provavelmente não há boa aderencia à medicação e às medidas de vida saudável, como a dieta".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG