Mesas de voto fechadas em Castro Daire e Tondela

Dois enxames de abelhas, colocados durante a madrugada, impediram os eleitores de Cabril, no concelho de Castro Daire de votarem. Mas no distrito de Viseu a eleição fica marcada pelo atraso na abertura da mesa de voto em Lageosa do Dão, no concelho de Tondela. Os protestos, que foram anunciados, visam exigir melhorias na estrada, em Cabril e mais médicos em Lageosa.

"As portas foram barradas com madeira e no interior da sala colocaram dois enxames de abelhas e não pudemos entrar na assembleia de voto", contou o presidente da Junta de Freguesia de Cabril. Joaquim Gonçalves esclareceu que as abelhas "impediram totalmente a entrada. Imagine que alguém alérgico era picado e tinha que percorrer estes 28 km de estrada em mau estado para o hospital. Não podíamos correr esse risco".

O boicote foi registado pela GNR que desde as 7:00 da manhã tem uma patrulha à porta da sala que iria servir de assembleia de voto.

Em Lageosa do Dão quando os elementos das assembleias de voto chegaram à escola "encontraram as fechaduras cheias de cola", adiantou o presidente da Junta de Freguesia. Com a GNR no local as urnas, que deveriam abrir às 8:00 continuam fechadas à espera que "haja autorização para arrombar as portas", adiantou António Pereira. Por lei "as urnas podem abbrir até às 11:00. Se alguém se responsabilizar por arrombar as portas as pessoas da mesa vão abrir a assemblia de voto", esclareceu.

Os dois boicotes haviam sido anunciados ainda durante a campanha eleitoral.

A comissão de utentes da estrada nacional 225, que liga Castro Daire a Castelo de Paiva, apelou ao boicote, para exigir obras na via. Em causa, estão oito freguesias dos concelhos de Castro Daire, Cinfães, Arouca e Castelo de Paiva.

Fernando Silva, porta-voz da comissão de utentes, explicou que só assim podem "ser ouvidos", esperando que 95 por cento das pessoas boicotem a eleição.

Além do mau estado do piso, Fernando Silva afirma que a estrada em causa foi concebida há cerca de 50 anos, tendo sido traçada com muitos erros que devem ser corrigidos.

Na Lageosa do Dão o protesto foi para exibir médicos. Nesta altura, há apenas um médico que atende 500 dos 2600 utentes

Uma comissão de utentes apelou à população para que não vote nas legislativas, em protesto contra a falta de médicos. A comissão colocou cartas nas caixas de correio de cada habitante da freguesia a apelar para não votarem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG