Meia centena protestam contra reorganização de urgências

Cerca de meia centena de pessoas estão concentradas, desde as 18 horas de hoje, em frente ao Ministério da Saúde, em protesto contra a reorganização das urgências na área da Grande Lisboa.

A Plataforma de Lisboa em Defesa do Serviço Nacional de Saúde, que organiza a iniciativa, junta comissões de utentes, sindicatos de profissionais de saúde, Sindicatos dos Trabalhadores da Função Pública e o Movimento Democrático das Mulheres.

"Urgências não servem para experiência economicista" e "Fechar urgências é ato criminoso" são algumas das frases colocadas em cartazes, que ilustram o protesto em frente è sede do Ministério da Saúde, em Lisboa.

Ana Amaral, da Plataforma, explicou aos jornalistas que esta ação visa, sobretudo, mostrar o descontentamento relativamente à reorganização das urgências na área da Grande Lisboa, que, segundo diz, vai prejudicar utentes e profissionais de saúde.

A Plataforma contesta ainda a ausência de estudos conhecidos que sustentem essa organização.

As urgências noturnas de Lisboa, das especialidades de Psiquiatria e Oftalmologia, vão passar a estar concentradas a partir de segunda-feira, nos hospitais de Santa Maria e de S. José.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.