Medicina. Ao fim de uma semana já não há vagas em 26 especialidades

O processo só termina a 21 e muitos não terão vaga. O DN foi conhecer alguns dos jovens médicos já garantiram a sua opção

Segunda-feira, dia 5. Tomás Pessoa e Costa chegou cedo à Avenida Estados Unidos da América, em Lisboa, para escolher a especialidade que vai fazer nos próximos seis anos. Foi o quarto, a nível nacional, a fazer a escolha. A 2 de janeiro inicia a formação para ser dermatologista no hospital dos Capuchos, a sua primeira opção. Este ano há 1758 vagas para formação da especialidade, menos 635 do que os candidatos. A primeira semana de escolha terminou ontem já sem vagas em 26 de 48 especialidades. O processo acaba dia 21.

Foram 12 horas dia de estudo na fase final antes do exame que dita a ordem pela qual os jovens médicos são chamados a escolher a especialidade. Tomás, 25 anos, teve 100%. Naquele momento em que desceu do quinto para o quarto andar do edifício da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo o nervoso miudinho voltou. É assim com todos.

"É muito difícil escolher a especialidade, acho que mais do que fazer o exame. Eram mais de 1700 vagas à escolha e não há muita informação disponível. Existem poucos estudos sobre as especialidades e o que temos mais é informação da experiência pessoal. Tinha uma lista de especialidades e locais de formação que queria. A minha namorada foi muito importante. Foi comigo para evitar decisões de última hora. Os amigos diziam-me que devia escolher ortopedia e na hora comecei a pensar nisso. Ela ajudou-me e mantive-me fiel à escolha", conta.

Metade das 12 vagas de dermatologia estavam ocupadas ao final dos oito primeiros a escolher. "Estou muito feliz, escolhi o hospital dos Capuchos, onde estagiei um mês. Queria uma especialidade que fosse médica e cirurgia e dermatologia é. E é uma especialidade que garante qualidade de formação - as vagas estão de acordo com as capacidades - e de vida", diz. Sobre os muitos colegas que vão ficar sem vaga, Tomás faz uma conta rápida: "Em cada cinco, dois vão ficar de fora. Não é bom para ninguém. A solução não pode ser aumentar de forma drástica os locais de formação. É preciso garantir que têm capacidade".

Sem surpresa dermatologia é uma das 25 especialidades que ao final da primeira semana já não tem vagas. Otorrino, oftalmologia, anestesia, cardiologia, ginecologia, ortopedia e reumatologia são outros exemplos. Esta última tinha 15 vagas. Fácil perceber porque é que Ana Lúcia Fernandes não conseguia parar de sorrir: "Escolhi reumatologia. Era a única vaga no Algarve e agora é minha".

O primeiro telefonema foi para o pai, que ficou radiante com a notícia. Ana Lúcia teve 79% no exame e por isso escolheu na quinta-feira à tarde. Foi a segunda tentativa. "No ano passado rescindi o contrato no ano comum [o primeiro de práticas após o fim da licenciatura] porque a nota não dava para grandes escolhas. Subi cerca de 200 lugares."

O mesmo fez Margarida Almendra, que passou de 47% para 79%. Escolheu pediatria na Estefânia. Não era a primeira opção, mas o plano B. "Estava fixada em neurologia, mas a última vaga foi escolhida uns números antes. Não estava iludida, mas achei que poderia conseguir. Mas fiz uma boa escolha", refere. A tensão ainda se via no rosto. "Foi muito angustiante. Vi o que se esforçou a estudar no curso, depois para o exame, a espera para escolha com as vagas a desaparecer", diz a mãe Teresa, que foi com a filha.

Miguel Neves foi com uma amiga Rita Rodrigues que só irá escolher na segunda-feira e por isso o telemóvel com a aplicação da escolha das vagas vai continuar a ser o melhor amigo. Ele optou por cirurgia geral em Leiria. "Foram muitas horas de estudo. Da uma da tarde às quatro da manhã", conta, referindo que na sala de espera pouco ou nada se fala. Efeitos da tensão.

Rui Nogueira conseguiu escolher o que queria. E já nem estava à espera. "Fiquei em nefrologia em Coimbra. Quando temos os resultados dos exames podemos aceder a modelos estatísticos e já não teria nenhuma vaga e pus de parte. Mas depois vi que ainda havia." Só irá respirar de alivio quando Sara Vila Maior escolher na terça-feira à tarde. Estão noivos e vão casar em outubro. "Gostava muito de pediatria e medicina interna." O próximos dias são ser agarrados à aplicação para controlar todas as vagas. Porque vão ser poucos os minutos para decidir: "É tudo muito rápido. Perguntam logo o que quer escolher?"

Miguel Fernandes só irá ter esta experiência para o ano. Apesar de ter tido 85% no exame, desistiu em março do ano comum. "As minhas opções passavam por oftalmologia, cirurgia plástica ou vascular. As vagas eram limitadas. Sempre pensei que se não ficasse nos 100 primeiros desistia." Fará novo exame a 16 de novembro. Sabe que é um risco porque haverá mais jovens a tentar entrar. "Não penso em fazer a especialidade fora. Aceito o que vier e pensarei noutras especialidades. Sei que me sentirei realizado." Até lá serão muitas horas de estudo por dia. Sempre com o apoio da família e dos amigos.

Exclusivos